SP tem 23 municípios considerados prioritários no Brasil Saudável
Iniciativa busca eliminar infecções e doenças que acometem populações em vulnerabilidade; na região, só Rio Preto está na lista
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil - Programa foi lançado pela ministra da Saúde, Nísia Trindade, na quarta-feira
Por Da Reportagem Local | 09 de fevereiro, 2024

O Brasil é o primeiro país do mundo a lançar uma política governamental para eliminar ou reduzir, como problemas de saúde pública, 14 doenças e infecções que acometem, de forma mais intensa, as populações em situação de maior vulnerabilidade social. Essa é a proposta do Brasil Saudável, programa do governo federal, lançado na última quarta-feira, 7.

Com a iniciativa, o país estabelece um marco internacional, alinhado à Organização Mundial da Saúde (OMS), às metas globais estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) por meio dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 e à iniciativa da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) para a eliminação de doenças nas Américas.

O Comitê Interministerial para a Eliminação da Tuberculose e Outras Doenças Determinadas Socialmente (CIEDDS) identificou 175 cidades que são consideradas prioritárias por possuírem altas cargas de duas ou mais doenças ou infecções determinadas socialmente e, por isso, as considera fundamentais para a pauta da eliminação enquanto problema de saúde pública.

Em São Paulo, os municípios de Barueri, Guarujá, Itapevi, Paulínia, São Vicente, Carapicuíba, Diadema, Jundiaí, Taboão da Serra, Bauru, Mauá, Osasco, Praia Grande, Santo André, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sorocaba, Campinas, Guarulhos, São Bernardo do Campo, Ribeirão Preto e São Paulo terão prioridade no programa.

Entre 2017 e 2021, as doenças determinadas socialmente foram responsáveis pela morte de mais de 59 mil pessoas no Brasil. A meta é que a maioria das doenças sejam eliminadas como problema de saúde pública: malária, doença de Chagas, tracoma, filariose linfática, esquistossomose, oncocercose, geo-helmintíase, além de cinco infecções de transmissão vertical (sífilis, hepatite B, doença de Chagas, HIV e HTLV).

Também o cumprimento das metas da OMS para diagnóstico, tratamento e redução da transmissão da tuberculose, hanseníase, hepatites virais e HIV/aids.

O programa surgiu da criação CIEDDS, uma ação inédita que, desde a sua instituição, em abril de 2023, reforça o compromisso do governo com o fim de doenças e infecções determinadas e perpetuadas pelos ciclos da pobreza, da fome e das desigualdades sociais no país.

A instalação dessas medidas é parte da premissa que garantir o acesso apenas ao tratamento em saúde não é suficiente para atingir essas metas. É preciso propor políticas públicas intersetoriais que sejam voltadas para a equidade em saúde e para a redução das iniquidades, fator diretamente ligado às causas do problema.

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Guilherme Gandini | 22 de maio de 2024
Simcat encabeça campanha para consertar cadeira de rodas de idosa
Por Guilherme Gandini | 22 de maio de 2024
Procon Móvel atende catanduvenses na Praça da República nesta quinta-feira
Por Guilherme Gandini | 21 de maio de 2024
Leão Amigo contabiliza R$ 6 milhões destinados às entidades em seis anos