SP cria comitê de combate ao greening, praga que afeta plantações de laranja
Ato foi assinado na sexta-feira pelo governador Tarcísio de Freitas; ação integra esforços para combater a doença
Foto: Divulgação/Governo de SP - Greening não tem cura depois que a planta é contaminada
Por Da Reportagem Local | 28 de novembro, 2023

O Governo de São Paulo oficializou na sexta-feira, 24, a criação do Comitê Estadual de Combate ao Greening, praga que afeta os pomares de laranja no estado. O grupo reúne cinco secretarias da gestão estadual, além de produtores e representantes do setor da citricultura. O objetivo é discutir e coordenar as ações de combate à doença.

Causado por uma bactéria e disseminado por um inseto, o greening não tem cura: uma vez que a planta é contaminada, não é mais possível eliminar a bactéria, que pode se alastrar pelo pomar por meio do inseto transmissor.

Oficializado por meio de decreto assinado pelo governador Tarcísio de Freitas, o comitê de combate ao greening deverá propor políticas públicas, diretrizes, critérios e procedimentos para o controle da doença.

"O Comitê Estadual de Combate ao Greening foi criado para que a gente possa trabalhar de forma unida. Assim, simplificamos as ações e agimos em conjunto para combater esse problema que pode afetar de maneira muito séria a nossa economia e o agronegócio paulista", afirma o secretário de Agricultura e Abastecimento, Guilherme Piai.

O colegiado será composto por representantes das secretarias de Agricultura e Abastecimento; de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística; da Casa Civil; da Fazenda e Planejamento; e de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Entre as atribuições do comitê, está a articulação entre o poder público e representantes das cadeias produtivas, visando disseminar práticas, tecnologias e ações de controle e prevenção da praga.

"Todas essas ações visam estabelecer uma situação de controle e combate contínuo contra a ameaça do greening, uma praga que representa uma séria ameaça para a citricultura. Essa abordagem é fundamentada na expertise e cooperação das Câmaras Setoriais e Temáticas", conforme destaca José Carlos de Faria Jr., Coordenador das Câmaras Setoriais e Temáticas da Agricultura.

O controle do greening é de extrema importância para o agronegócio de São Paulo, que é o maior produtor de laranjas do país. Segundo a Fundecitrus, a citricultura paulista exporta U$ 2 bilhões por ano. São cerca de 9,6 mil propriedades que geram 200 mil empregos no estado.

De acordo com o Fundo de Defesa da Citricultura, o Fundecitrus, o greening está presente em todas as regiões citrícolas paulistas e em pomares de Minas Gerais e Paraná, além de países da América do Sul e Estados Unidos.

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Da Reportagem Local | 28 de fevereiro de 2024
Saec retoma obras na rua São Paulo após autorização da Justiça
Por Guilherme Gandini | 28 de fevereiro de 2024
Ação judicial contra a ACE pode invalidar assembleias e mudanças estatutárias
Por Da Reportagem Local | 28 de fevereiro de 2024
Pastor Marcelino recebe título de Cidadão Catanduvense