Queimadas urbanas aumentam 154% e Defesa Civil emite alerta
Na semana passada, um incêndio atingiu uma área de aproximadamente 260 mil metros quadrados no antigo lixão
Foto: PREFEITURA DE CATANDUVA - A Prefeitura montou força-tarefa para auxiliar o Corpo de Bombeiros no combate às queimadas
Por Da Reportagem Local | 04 de agosto, 2022
O período mais crítico do ano para a seca não chegou, mas as queimadas urbanas em Catanduva já tiveram aumento de 154,9% no comparativo dos sete primeiros meses de 2021 e 2022. Até julho deste ano, foram 181 casos; no mesmo período do ano passado, 71. Os números levam em consideração as ocorrências atendidas pela Patrulha Ambiental da Guarda Civil Municipal.
 
Além do trabalho no chão, as equipes contam com auxílio da tecnologia para monitorar as áreas atingidas pelo fogo. “Fazemos o mapeamento por drone, mas a maioria dos incêndios são criminosos, principalmente às margens da rodovia, por exemplo”, destaca o comandante da GCM, Cláudio Pereira.
 
A Defesa Civil de Catanduva emitiu alerta diante das previsões de risco de incêndios florestais e em vegetação, nas áreas rurais e naturais. A condição abrange boa parte do Estado de São Paulo, inclusive a região de Catanduva, ao longo dos próximos dias. A condição acaba afetada devido à estiagem, bem como a baixa umidade relativa do ar.
 
Na semana passada, um incêndio atingiu uma área de aproximadamente 260 mil metros quadrados no antigo lixão.  A proporção só não foi maior porque as equipes da Secretaria de Meio Ambiente haviam feito uma mobilização. “A gente tinha feito vistoria com a Polícia Ambiental e com as ações preventivas de controle como a roçagem e os aceiros, o fogo atingiu mais a vegetação rasteira”, destaca a secretária de Meio Ambiente, Julia Cassiano Wayego.
 
A Prefeitura montou força-tarefa para auxiliar o Corpo de Bombeiros. A preparação teve início nos primeiros meses de 2022 e contou com treinamentos, acompanhamento de ações das usinas da região, entre outras orientações. O Plano de Combate e Prevenção a Focos de Incêndios reúne Defesa Civil, Guarda Civil Municipal, Saec, Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura, Corpo de Bombeiros e Polícia Ambiental.
 
UMIDADE EM QUEDA
 
De acordo com a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), a umidade relativa do ar de Catanduva chegou a 25% na terça-feira, dia 2.  A condição ocorre principalmente no final da tarde, quando o risco de incêndios é ainda maior. O índice de umidade relativa do ar tolerável é de 60%, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
A orientação é de que o Corpo de Bombeiros seja acionado, em caso de queimadas, pelo telefone 193. O telefone 153 da Patrulha Ambiental também está disponível para as denúncias. Na ligação, devem ser informados o número ou ponto de referência da área incendiada.
 
LIMPE SEU TERRENO
 
Por conta da estiagem, a orientação da Secretaria de Meio Ambiente é de que a capina seja feita de forma frequente nos terrenos particulares. Essa é a forma mais eficaz de limpeza, já que não traz danos à natureza. O material deve ser recolhido de forma imediata para evitar queimadas.
 
A multa para os incêndios no perímetro urbano é de 500 UFRCs, equivalente a R$ 1.715,15, além de uma UFRC por metro quadrado de vegetação queimada. A UFRC 2022 é de R$ 3,4315. 

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional.

Por Da Reportagem Local | 17 de agosto de 2022
Beneficiária produz e doa bolsa auxiliar a pacientes com câncer
Por Da Reportagem Local | 17 de agosto de 2022
RÁPIDAS: Pindorama busca implementar o piso salarial da Enfermagem
Por Da Reportagem Local | 17 de agosto de 2022
Procura por viagens mantém tendência de alta no segundo semestre