Grupo de escoteiros de Catanduva promove curso para voluntários
Inscrições para o Curso Preliminar Escotistas, do Grupo Escoteiro Cidade Feitiço, estão abertas até o dia 1º de março; custo é de R$ 100
Crédito: Divulgação/Redes sociais - Integrantes do movimento participam de eventos, tanto internos quanto externos
Por Stella Vicente | 28 de fevereiro, 2024

O Grupo Escoteiro Cidade Feitiço, de Catanduva, está com inscrições abertas até esta sexta-feira, dia 1º de março, para o Curso Preliminar Escotistas, que visa treinar pessoas voluntárias interessadas em colaborar com as atividades promovidas pelo grupo. A ação acontecerá nos dias 9 e 10 de março em Catanduva, no GE Cidade Feitiço, situado na rua Caitité, n º 277.

O curso preliminar é voltado para toda pessoa acima de 18 anos que tem interesse em se tornar um voluntário no movimento escoteiro. Segundo o comissário adjunto do 36 Distrito escoteiro noroeste Paulista e chefe escoteiro, Fernando Varoto, não precisa ter sido escoteiro anteriormente ou ter conhecimentos prévios para participar.

“Entendemos que toda pessoa traz uma bagagem do que ela vivenciou na vida, então ela consegue ensinar algo de bom para os outros. E é isso que o curso preliminar vai trabalhar, justamente a parte de ensinar as coisas mais básicas para o voluntário atuar junto aos jovens”, esclarece.

O custo do curso é de R$ 100 que deve ser pago para a chave Pix do tipo e-mail eventos.ge.catanduva@gmail.com. Está incluso a alimentação, exceto a do jantar de sábado, e também os materiais necessários. Para tirar dúvidas ou obter mais informações, o telefone de contato é (17) 9 8184-5678.

Podem ser escoteiros crianças e jovens a partir dos 6 anos de idade. A divisão é feita da seguinte forma: dos 6 aos 10 anos são os Lobinhos; de 11 a 14 são os Escoteiros; de 15 a 18 são os Seniores e as Guias; e de 18 a 21 são os Pioneiros. Os membros acima de 21 anos são voluntários, que prestam trabalho para colaborar com a formação dos jovens.

Os integrantes do movimento participam de eventos, tanto internos, como acampamentos, acantonamentos, jornadas, excursões, quanto externos, como atividades voltadas ao meio ambiente, arrecadação de alimentos para doação e atividades de estímulo à prática esportiva.

Varoto afirma que o Movimento Escoteiro é uma forma de educação não formal, que visa contribuir com a educação dada pela escola, família e religião dos jovens. “Nós trabalhamos coisas que a escola comumentemente não trabalha. Falamos um pouco sobre a parte de primeiros socorros, o respeito à natureza e o campismo, que é o ir acampar”, diz.

Dentre os temas que serão abordados durante o curso estão como fazer as cerimônias do movimento escoteiro, como é o uniforme e distintivos, como funciona a progressão dos jovens, como são montadas as atividades exercidas pelo grupo, entre outros.

“Acreditamos que o movimento colabora com a formação, especialmente do caráter do jovem. Mas não deixamos de trabalhar os aspectos físicos, intelectuais, sociais, afetivos e sociais, além dos espirituais. Acreditamos que esse tipo de formação bem ampla vai deixar as pessoas mais capazes, mais atuantes e mais úteis à sociedade”, pontua o comissário adjunto e chefe escoteiro.

Autor

Stella Vicente
É repórter de O Regional.

Por Stella Vicente | 13 de abril de 2024
Esquadrilha da Fumaça volta à Catanduva em maio
Por Guilherme Gandini | 13 de abril de 2024
Orquestra Facmol é atração na Praça da Matriz neste domingo
Por Da Reportagem Local | 13 de abril de 2024
Hospitais da FPA participam da Oficina de Articuladores de Humanização