Fora de casa, Bax Catanduva é derrotado pelo atual vice-campeão brasileiro
Inspirado nos arremessos de três pontos, o time de Blumenau fechou o jogo em 99 a 72
Foto: VITOR BETT - Bax Catanduva não conseguiu superar Blumenau em Santa Catarina
Por Da Reportagem Local | 02 de abril, 2022
 

O time Bebidas Poty/Tietê/Bax Catanduva não conseguiu superar o atual vice-campeão brasileiro Unisociesc/Blumenau, no ginásio Galegão, em Santa Catarina, em partida realizada na noite de quinta-feira, 31. 

Inspirado principalmente pelos arremessos de três pontos, o time blumenauense fechou o jogo em 99 a 72, com 34 pontos e 16 rebotes da jogadora Kaw, que recebeu o troféu de Melhor da Partida (MVP). Pelo lado catanduvense, o destaque foi a ala/pivô Ana Paz, que anotou 18 pontos. 

“Embora a diferença no placar tenha sido grande, o time pontuou bem, mas o adversário foi muito feliz, em uma noite inspirada”, comenta o técnico Cesamar Fernandes. 

Para ele, as falhas cometidas comprometeram, principalmente, o primeiro quarto do jogo. A equipe catanduvense conseguiu jogar de forma mais equilibrada no segundo, terceiro e quarto períodos, mas não foi o suficiente para tirar a vantagem. 

Analisando os números finais do jogo, ele afirma que as oportunidades de cestas foram as mesmas do adversário (73 bolas), mas o aproveitamento catanduvense foi baixo. 

“Criamos boas situações, porém, erramos na finalização. E algumas jogadas eram muito fáceis, como em bandejas. Erramos no 1 x 1 ou quando em vantagem, 3 x 2. Pecamos no fundamento definição”, detalha. 

O time catarinense, segundo análise do treinador, além de alto, é muito forte, o que forçou uma mudança no estilo de marcação, que aconteceu dentro do perímetro. 

“Com a marcação no garrafão, o adversário começou a chutar na linha dos três e acertar”, cita. 

Além disso, o time de Blumenau conseguiu 22 rebotes a mais que as catanduvenses, o que deu maior confiança ao adversário, que sabia que teria segunda e terceira chances. 

“Nós erramos muito na defesa e elas (jogadoras de Blumenau) souberam aproveitar as oportunidades. Porém, seguimos evoluindo para chegarmos ao nosso objetivo. Nossas adversárias estão de parabéns. Vamos avaliar nossos erros para o próximo jogo”, comenta a armadora Natália. 

LADO POSITIVO 

Em conversa com suas comandadas, Cesamar pediu que as atletas se apeguem sempre ao lado positivo. “Precisamos melhorar nossa defesa, porém, as meninas estão criando oportunidades. É caprichar nas finalizações”, diz. 

Para a partida deste sábado, 2, contra o Sodiê Doces/Mesquita/LSB Rio de Janeiro, às 18 horas, na Arena Sodiê, Catanduva deve entrar em quadra com outra postura. “O time carioca não é tão forte fisicamente e nem tão alto, mas tem jogadoras mais rápidas. Por isso, a marcação focará, em especial, nas jogadas de transição em velocidade.” 

A equipe catanduvense segue confiante em busca de sua segunda vitória para ganhar ainda mais confiança para sua sequência de quatro jogos em casa. “Somos um time que não se entrega, que busca o resultado até o final”, finaliza. 

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Guilherme Gandini | 23 de junho de 2024
Há 29 anos, atleta catanduvense registrava seu nome no Guinness Book
Por Da Reportagem Local | 23 de junho de 2024
Grêmio Novorizontino tem duelo em Recife, amanhã, pelo Brasileirão
Por Guilherme Gandini | 20 de junho de 2024
Catanduva, Tabapuã e Itajobi celebram sucesso de atletas no Paulista de Judô