Fãs levam prejuízo após agência cancelar viagem a show
Em Catanduva, cerca de 40 pessoas se uniram para fretar novo ônibus e assistir à banda RBD em São Paulo; cada um pagou, no mínimo, R$ 370
Crédito: Arquivo pessoal - Para a catanduvense Tamires, o que valeu a pena, de fato, foi o show da banda mexicana
Por Da Reportagem Local | 15 de novembro, 2023

Moradores de Catanduva e de cidades vizinhas, fãs da banda mexicana RBD, levaram prejuízo após a agência contratada cancelar a viagem ao show, realizado no último domingo, dia 12. Cerca de 40 pessoas se uniram para fretar um novo ônibus, de forma particular, e conseguirem ir até o estádio Morumbi, em São Paulo.

Cada pessoa pagou, no mínimo, R$ 370 pelo transporte não oferecido pela empresa, como constava em contrato assinado. Além do transporte, a companhia tinha pacotes que ofereciam ingressos ao show, o que causou outro problema quando os fãs chegaram ao estádio na capital, como conta Tamires Regina Estruzani Lopes, de 30 anos, publicitária, que, junto de sua esposa, perdeu R$ 740.

“Na sexta-feira à noite [a responsável pela empresa] criou um grupo no WhatsApp, mandou diversos áudios explicando como seria, quais os horários, como funcionaria tudo, então ficamos tranquilas. No domingo, acordamos 3h30 para não haver atrasos, quando era 4 horas ela não tinha mandado nada no grupo ainda. Às 4h10, nós mandamos uma mensagem no grupo perguntando se os ônibus já tinham saído de Rio Preto, porque o horário marcado para a saída de Rio Preto era às 4 horas da manhã, e disseram que ainda não porque não havia chegado todos os ônibus”, recorda Tamires.

Depois disso, os relatos das pessoas que estavam em São José do Rio Preto no grupo do WhatsApp afirmavam que apenas um dos ônibus estava no local de embarque. Tamires e outras pessoas que estavam em Catanduva aguardando a excursão tentaram entrar em contato com a empresa e a única resposta era a de que estavam tentando resolver o problema. No relógio, eram quase 5h30 e o ônibus, previsto para sair às 4 horas, ainda estava em Rio Preto.

Ainda assim, o único ônibus chegou a passar por Catanduva por volta das 6 horas, onde ficou parado por cerca de 40 minutos, pois as pessoas estavam tentando resolver a situação. A Polícia Militar foi acionada e o ônibus seguiu viagem.

A solução encontrada pelo grupo de Catanduva foi fretar, de forma particular, um novo ônibus para levá-los até o show. Foi feita uma “vaquinha” com as pessoas que estavam no local, que conseguiram contratar o serviço de última hora.

“Tivemos que gastar mais de R$ 450 de ônibus particular. Fomos correndo o risco, porque o ônibus não tinha guia, não sabíamos onde estacionar. Paramos em um lugar que não era permitido e o motorista foi ameaçado por pessoas da rua onde nós paramos, porque como não era excursão, a gente não tinha noção de onde podia parar o ônibus ou não. Ameaçaram colocar fogo no ônibus se ele não saísse do local e ainda tivemos que arcar com estacionamento para ônibus, que é caríssimo em São Paulo”, conta a publicitária.

Ela ainda afirma que o que valeu realmente a pena foi o show da banda RBD, mas que correram riscos de dar tudo errado por conta da má gestão da empresa.

“Estamos desde domingo tentando falar com a empresa, mas não há resposta nem no WhatsApp e nem no Instagram, onde foram desativados os comentários. Esperamos até terça-feira para registrar o boletim de ocorrência, mas já pedimos o estorno no banco do valor, vamos entrar com ação conjunta e ver como proceder. O ‘perrengue’ foi esse e agora estamos esperando para nos recuperar de todo esse caos do começo ao fim”, pontua Tamires, já que ao final do show do domingo, houve relatos de “arrastões” no entorno do estádio.

NOTA NA REDE SOCIAL

Depois de desativar o Instagram e não atender ligações ou receber mensagens dos contratantes, a empresa reativou a rede social, por onde divulgou uma nota. No comunicado, a agência de viagens diz estar imprimindo todos os esforços para atender e solucionar as demandas dos passageiros diante do ocorrido no último final de semana.

“Nossa equipe está acionando individualmente cada passageiro, o que pode gerar um tempo de resposta acima do desejável. (...) Lamentamos profundamente o ocorrido e reiteramos nosso compromisso em atender e reembolsar a todos”, afirma.

O QUE DIZ O PROCON

A reportagem de O Regional questionou o Procon de Catanduva sobre as providências a serem tomadas neste caso. O órgão afirma que é necessário apresentar o contrato da locação, com os dados da empresa, comprovante de compra, comprovante de endereço e documentos pessoais para que possa ser aberta uma demanda contra a empresa.

“Fazemos a parte administrativa e, dependendo da resposta, depois orientamos entrar com o processo no jurídico, no Fórum. Mas conseguimos notificar [a empresa] sim. Podem procurar qualquer atendente que iremos orientar e fazer a demanda, via CIP, que enviamos à empresa e aguardamos a resposta da mesma”, diz o coordenador do Procon de Catanduva, Rogério Luiz Seminatti.

O Procon de Catanduva está localizado na Central de Atendimento 2 do Paço Municipal. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 6 às 16 horas. O telefone é 17 3531-9138.

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Guilherme Gandini | 22 de maio de 2024
No dia de Santa Rita, paróquia apresenta projeto da Igreja São Sebastião
Por Guilherme Gandini | 22 de maio de 2024
Campanha Maio Amarelo tem abordagens no pedágio e base policial
Por Da Reportagem Local | 22 de maio de 2024
FPA participa de encontro sobre doação de órgãos e transplante renal