Ex-prefeito Macchione agradece Tarcísio por autorizações do novo contorno ferroviário
Foi ele que aprovou a inclusão do novo traçado da linha férrea de Catanduvana prorrogação do contrato de concessão da Rumo
Foto: DIVULGAÇÃO - Macchione manifestou agradecimento a Tarcísio por apoio em processo que tramitou no Dnit
Por Guilherme Gandini | 06 de maio, 2022
 

O ex-prefeito Afonso Macchione Neto, aproveitando a vinda do ex-ministro Tarcísio Gomes de Freitas a Catanduva nesta sexta-feira, 6, manifestou seu agradecimento ao engenheiro e militar da reserva pelas aprovações dadas ao projeto do novo contorno ferroviário de Catanduva. A previsão é que a obra seja realizada pela concessionária Rumo até o ano de 2025.  

“É preciso destacar que foi o ministro Tarcísio que aprovou a inclusão do novo traçado da linha férrea de Catanduva na prorrogação do contrato de concessão da Rumo, em 2020. Foi também ele, em 2014, que autorizou a contratação do projeto básico de engenharia para o contorno”, relembra.  

O planejamento iniciado pela Prefeitura para retirada dos trilhos da área central começou em janeiro de 2005, primeiro mês de governo Macchione. As tratativas foram conduzidas junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para viabilizar a contratação do projeto executivo da obra. No ano seguinte, foi realizada inspeção pelos técnicos do Dnit na cidade.  

Em 2007, o Dnit encaminhou relatório técnico da visita realizada em abril de 2006, concluindo pela necessidade da intervenção, e informou, um ano depois, que seria preciso fazer o Projeto de Viabilidade Técnica e Financeira. O documento, conta Macchione, foi entregue ao órgão federal em 2010, com aprovação no mesmo ano.  

“Em 2012, solicitamos recursos ao Governo Federal para elaboração do projeto executivo da obra. Dois anos depois, Tarcísio, então diretor do Dnit, assinou o contrato com a empresa que realizaria o trabalho”, relata o ex-prefeito.  

O Projeto Executivo do Contorno Ferroviário de Catanduva foi finalizado em 2018, com 974 folhas. Um ano depois, foi expedida a Licença Ambiental Prévia nº 2.685 pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).   

A concessionária Rumo confirmou em 12 de março de 2020 que o projeto de Catanduva foi incluído na contrapartida obrigatória da empresa para a renovação antecipada do contrato.   

A aprovação de Catanduva, segundo declarou Rodrigo Verardino De Stéfani, então Relações Institucionais e Governamentais da Rumo, deu-se porque a cidade já tinha os projetos prontos. Esse planejamento foi considerado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para o estabelecimento das obras que seriam incluídas no novo contrato da empresa.  

“Foi a concretização do trabalho iniciado em nossa primeira administração, com empenho de nossa equipe, muitas viagens e ofícios a Brasília, reuniões com vários ministros, apoio irrestrito do catanduvense Laize de Freitas, que muito colaborou abrindo portas na Capital Federal, e com participação do ex-ministro Tarcísio em momentos decisivos. Em um futuro próximo, teremos outro grande problema de Catanduva resolvido. Obrigado, Tarcísio”, enaltece Macchione. 

Autor

Guilherme Gandini
Editor-chefe de O Regional.

Por Da Reportagem Local | 26 de junho de 2022
Mostra de Sustentabilidade distribuiu mais de mil mudas
Por Da Reportagem Local | 26 de junho de 2022
Pedagogos podem assumir aulas na rede estadual de São Paulo neste semestre 
Por Guilherme Gandini | 26 de junho de 2022
Imes Catanduva abre inscrições para Vestibular Online com quatro cursos