Último trabalho de Jô Soares, ‘Gaslight’ faz temporada em Rio Preto
Elenco reúne Érica Montanheiro, Giovani Tozi, Gustavo Merighi e Mila Ribeiro e stand-in Anderson Muller
Foto: Priscila Prade - Peça é baseada no filme homônimo sobre abuso psicológico nos relacionamentos afetivos
Por Da Reportagem Local | 11 de junho, 2024

Gaslight - Uma Relação Tóxica é o último trabalho de Jô Soares no teatro, e uma das peças de maior sucesso da história da Broadway. O texto, de 1938, ganhou versão no cinema em 1944, e o termo Gaslight, original da peça, é popular até hoje, sendo “gaslighting" eleita a palavra de 2022. A peça retrata um casal em crise. Jack desconfia que sua esposa Bella esteja louca. Ela teme pela própria saúde mental, pois reconhece que tem agido de forma estranha. Com a ajuda de um inspetor bem humorado, Bella é provocada a desvendar os mistérios de sua loucura. Será apresentado ao público de São José do Rio Preto, de 14 a 23 de junho, no Teatro do Sesi.

Com elenco formado por Érica Montanheiro, Giovani Tozi, Gustavo Merighi, Mila Ribeiro e Stand-in Anderson Muller, o espetáculo marcaria a volta de Jô aos palcos como diretor, quatro anos após dirigir e atuar em A Noite de 16 de Janeiro. Com cenário de Marco Lima, figurino de Karen Brusttolin, iluminação de César Pivetti, e trilha sonora original de Ricardo Severo, a montagem era cuidada de perto por Jô Soares, que trabalhou na concepção da encenação até os últimos dias.

Baseada no filme homônimo sobre abuso psicológico nos relacionamentos afetivos, a peça retrata um casal em conflito. No início do casamento Jack (Giovani Tozi) se mostrava doce e apaixonado. No entanto, sob a alegação de que sua mulher Bella (Érica Montanheiro) sofre de algum tipo de desequilíbrio mental, revela-se um homem impaciente e menos cordial.

A esposa sente que está ficando louca, mas, ao buscar o amparo do companheiro para lidar com a suposta doença, encontra apenas a resistência do homem, que justifica não ter mais forças para lidar com a situação. A complicação do diagnóstico de Bella é acompanhada de perto pela fiel governanta Elizabeth (Mila Ribeiro) e pela jovem e extrovertida Nancy (Maria Joana), a nova arrumadeira do casarão. Ralf (Gustavo Merighi), um inspetor de polícia, possui uma ligação curiosa com a casa, agora habitada pelo casal. Essa relação pode despertar fantasmas do passado que ainda habitam os cômodos com seus segredos, e podem revelar grandes surpresas.

A versão brasileira começou a ser gestada em 2018. “Gaslight nasceu numa noite de cinema no apartamento do Jô, quando nós dois assistíamos à versão cinematográfica, de 1944, estrelada por Ingrid Bergman. Fiz o convite arriscado para levarmos a história aos palcos e ele topou”, conta o ator e idealizador do projeto Giovani Tozi, também produtor ao lado da produtora e fotógrafa Priscila Prade.

“Gaslight” é uma homenagem a Jô Soares, um dos mais importantes homens que a cultura e a educação do país produziu. Jô brinda o público com uma história carregada de mistério e suspense, sem deixar de lado o humor, sentimento que sempre o guiou, em tudo o que fez na vida. O site para reservar ingressos é https://www.sesisp.org.br/, no menu “Eventos”.

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Guilherme Gandini | 23 de junho de 2024
‘Forró circense’ é atração para as crianças, no Sesc, neste domingo
Por Da Reportagem Local | 21 de junho de 2024
‘São João de Catanduva’ celebra a Cultura Nordestina na Cidade Feitiço
Por Guilherme Gandini | 20 de junho de 2024
Catanduva recebe espetáculo ‘Os Mundos de Chico Xavier’ em julho