Verão: pediatra ensina como aliviar os sintomas de calor em bebês
Desidratação está entre as doenças que podem atingir os pequenos nesta época do ano; pais devem ficar atentos
Foto: Reprodução - Uma das dicas para os pais é analisar possíveis alterações na pele do bebê
Por Da Reportagem Local | 03 de fevereiro, 2024

Devido às altas temperaturas no verão, todos sentimos desconfortos com o calor, porém os bebês estão mais propensos à perda de líquidos, que podem resultar em problemas de saúde, como a desidratação. Pelo fato de os pequenos não conseguirem comunicar verbalmente o que estão sentindo, os pais e responsáveis devem ficar atentos aos sinais que nem sempre são semelhantes aos dos adultos.

A pediatra Fabiana Bernieri orienta os pais a redobrarem a atenção neste período. “Os bebês sentem bastante calor, mas como não falam, acabam manifestando a sensação de uma maneira diferente. Eles costumam ficar chatinhos, irritados e chorosos”, explica.

É importante analisar as alterações na pele. Por ser fina e sensível, é comum o surgimento de pequenas bolinhas d’água devido ao suor (brotoejas), com sintomas de vermelhidão, queimação e coceira. Além disso, roupas leves e confortáveis são as mais indicadas para a estação.

Outro alerta é para a desidratação dentro de casa. Apesar de o bebê estar protegido, a pediatra explica que as temperaturas altas em ambientes abafados e quentes podem contribuir com a desidratação. “O mais indicado é deixar a casa bem ventilada, com as janelas abertas e, se possível, com o ar-condicionado ligado. Assim conseguimos manter uma temperatura estável, porém tem que estar com filtro de ar em dia, limpo e com temperatura entre 22 e 23 graus, para manter a criança fresquinha”, diz a especialista.

HIDRATAÇÃO

O leite humano é suficiente para a hidratação, sendo o alimento mais completo nos primeiros meses de vida. “O bebê que mama fórmula e já tem mais de seis meses deve tomar mais água ao longo do dia. Os maiores de um ano já podem tomar água, sucos de fruta e água de coco.”

É importante destacar que antes do sexto mês a criança não precisa de outra alimentação como chá, suco, água ou outro tipo de leite. Somente depois dos seis meses que a amamentação deve ser complementada com outros alimentos, sob a orientação de um especialista.

EXPOSIÇÃO SOLAR

É preciso evitar o sol entre 10 e 16 horas, porque há maior emissão de raios solares, aumentando o risco de insolação e queimadura. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, a exposição solar não deve acontecer antes dos primeiros seis meses de vida. Para os bebês acima de seis meses, o ideal é 20 minutos fora deste período.

Além disso, o recomendado pelo Ministério da Saúde é que o protetor solar seja usado a partir dos seis meses de idade. É importante aplicar o filtro a cada 2 horas e usar chapéus ou bonés para proteger o rosto da criança quando ela estiver no sol.

No verão também é comum as picadas de insetos, mas é preciso tomar cuidado porque elas podem desenvolver alergia no bebê. “Sempre que possível, em bebês maiores de três meses, fazer o uso do repelente quando exposto a situações em que podem acontecer picadas”, reforça.

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Da Reportagem Local | 13 de abril de 2024
Unimed Catanduva apresenta ações inclusivas para comitê estadual
Por Da Reportagem Local | 13 de abril de 2024
Atenção à evolução de criança com autismo pode diminuir prejuízo na comunicação
Por Guilherme Gandini | 12 de abril de 2024
Unidades de saúde abrem amanhã para vacinação contra a gripe