Morte do empresário João Paulo Diniz mostra que esportistas devem cuidar do coração
Triatleta teve a chamada morte súbita cardíaca, que acomete mais de 320 mil pessoas no Brasil, segundo a Sobrac
Foto: DIVULGAÇÃO - Cardiologista e especialista em arritmias Adalberto Lorga Filho, do IMC, realiza ablação para corrigir arritmia cardíaca
Por Da Reportagem Local | 05 de agosto, 2022
 

A morte súbita do empresário João Paulo Diniz, filho do também empresário Abílio Diniz, no último domingo, 31 de julho, aos 58 anos, é novo episódio lamentável que atrai as atenções da sociedade para o fato de que pessoas que levam uma vida saudável e praticam esportes podem também ter problemas cardíacos graves e correr enorme risco de morte. João Paulo era triatleta e sempre praticou esportes.  

O empresário teve a chamada morte súbita cardíaca, que acomete mais de 320 mil pessoas no Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac). A realidade é ainda mais alarmante quando se descobre que, por ano, mais de 20 milhões de brasileiros são acometidos de arritmias cardíacas, a principal causa da morte súbita.  

Até o momento, não foi divulgado o motivo e cogitou-se ter sido por infarto. A morte súbita é frequentemente atribuída ao infarto, porém, o médico cardiologista e especialista em arritmias Adalberto Menezes Lorga Filho, diretor científico do Instituto de Moléstias Cardiovasculares – IMC, de São José do Rio Preto, explica: "Muitas pessoas que tiveram o diagnóstico de 'infarto fulminante', na verdade, tiveram morte súbita, não necessariamente decorrente de infarto."  

A morte súbita tem entre suas principais causas a ocorrência de arritmias cardíacas graves. "As arritmias podem ser consequentes a doenças cardíacas mais comuns como infarto e insuficiência cardíaca, mas outras doenças geneticamente determinadas também são causas importantes de morte súbita como, por exemplo, a cardiomiopatia hipertrófica, que está sendo considerada como uma das possíveis causas da morte do empresário", afirma Lorga Filho.   

Outras doenças cardíacas, vasculares e neurológicas também estão entre as causas da morte súbita, porém, em menor percentual. 

O tempo para o socorro à vítima de parada cardíaca é muito curto. Como exemplo, o cardiologista do IMC apresenta abaixo o registro do eletrocardiograma de uma pessoa que portava um holter ao sentir os sintomas.  O holter é um dispositivo portátil, que monitora continuamente a atividade elétrica cardíaca de pacientes por 24 horas ou mais.   

"O atendimento imediato é fundamental para salvar vidas", ressalta o médico do IMC, que é também conselheiro da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas.  

Já que o tempo para o socorro é mínimo, a principal forma de combater a morte súbita, segundo o cardiologista, é a pessoa adotar atitudes e hábitos preventivos fundamentais, como não fumar, se exercitar, ter alimentação saudável, controlar a hipertensão e diabetes e fazer avaliação cardiológica periodicamente.  

O IMC  

O Instituto de Moléstias Cardiovasculares é um dos principais centros de referência no Estado de São Paulo para o diagnóstico e tratamento de pacientes que sofram de arritmia. Centro de referência na região noroeste, o IMC possui modernos aparelhos de exames diagnóstico e para procedimentos não invasivos para atuar no coração e sistema circulatório.   

 

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional.

Por Guilherme Gandini | 17 de agosto de 2022
Catanduva confirma mais duas mortes pelo coronavírus: são 728 ao todo
Por Stella Vicente | 17 de agosto de 2022
Especialista alerta para os perigos dos cigarros eletrônicos, já proibidos no país
Por Da Reportagem Local | 16 de agosto de 2022
Hospitais da Fundação Padre Albino são selecionados para a fase 2 do ReConecTAR