Hemonúcleo inicia campanha ‘Trabalhador Sangue Bom’ para abastecer estoque
Ação é feita em parceria com Hemocentro de Rio Preto e Movimento Sindical Unificado (MSU), que abrange 13 sindicatos profissionais
Foto: DIVULGAÇÃO - Objetivo da campanha é incentivar a doação de sangue entre os trabalhadores
Por Myllayne Lima | 03 de maio, 2022
 

O Hemonúcleo de Catanduva e o Hemocentro de Rio Preto, em parceria com o Movimento Sindical Unificado (MSU), que abrange 13 sindicatos profissionais, lançaram na segunda-feira, 2, a campanha ‘Trabalhador Sangue Bom’, em alusão ao Dia do Trabalhador, celebrado no dia 1º de maio. 

O objetivo é incentivar a doação de sangue entre os trabalhadores, abastecer os estoques que estão operando abaixo do ideal e atender a demanda transfusional da rede hospitalar.  

De acordo com a enfermeira do Hemonúcleo de Catanduva, Natália Colombo, devido à pandemia, o fluxo de doadores diminuiu 80%. O Hemonúcleo e o hemocentro são responsáveis pelo abastecimento de 39 instituições de saúde das regiões de Rio Preto e Catanduva. 

Podem doar sangue homens e mulheres com idades de 18 até 69 anos. Jovens com idades entre 16 e 17 anos são aceitos na doação se acompanhados dos pais ou do responsável legal. Após os 60 anos, ambos os sexos, é possível doar a cada seis meses (duas vezes por ano). O doador deve estar em boas condições de saúde (sem gripe, resfriado, diarreia ou alergias), sem feridas ou machucados pelo corpo ou na boca.  

Os doadores devem pesar mais de 50 quilos e estarem alimentados (o doador não deve estar em jejum), mas as refeições feitas devem ser leves e não gordurosas nas últimas quatro horas que antecedem a doação. O doador também não deve ingerir bebida alcoólica nas últimas 12 horas que antecedem a doação e não devem ter fumado nas duas horas que antecedem a doação. Aqueles que tenham feito exame de endoscopia há mais de seis meses também são bem-vindos nas doações.  

Entre os impedimentos temporários para a doação estão os das pessoas resfriadas, mulheres grávidas, que estão amamentando. Aqueles que fizeram tatuagens nos últimos 12 meses também ficam impossibilitados de doarem.  

Em caso de situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis o indicado é aguardar 12 meses para realizar a doação de sangue. Já entre os impedimentos definitivos estão os daqueles que contraíram hepatite após os 11 anos, ou Aids, doenças associadas aos vírus HTLV e doença de chagas. Além de pessoas que usam drogas e pessoas com malária. 

Quem tomou a vacina da febre amarela deve aguardar 30 dias para fazer uma doação. Já para vacina contra gripe, o prazo é de 48 horas. A vacina Coronavac (Sinovac/Butantan) impede a doação de sangue por dois dias após cada dose. Já as vacinas AstraZeneca, Pfizer e Janssen impedem a doação por sete dias após cada dose. 

 

Autor

Myllayne Lima
Repórter de O Regional.

Por Guilherme Gandini | 17 de agosto de 2022
Catanduva confirma mais duas mortes pelo coronavírus: são 728 ao todo
Por Stella Vicente | 17 de agosto de 2022
Especialista alerta para os perigos dos cigarros eletrônicos, já proibidos no país
Por Da Reportagem Local | 16 de agosto de 2022
Hospitais da Fundação Padre Albino são selecionados para a fase 2 do ReConecTAR