Estudo de vacina contra dengue do Butantan é publicado no exterior
Pesquisa envolveu a Famerp e o Hospital de Base de Rio Preto e demonstrou que o imunizante tem 79,6% de eficácia
Foto: Divulgação - Virologista Maurício Lacerda Nogueira, da Famerp/HB, é um dos autores
Por Da Reportagem Local | 02 de fevereiro, 2024

Uma das publicações médico-científicas mais importantes do mundo, o New England Journal of Medicine, publicou esta semana artigo sobre estudo multicêntrico de vacina contra a dengue do qual um dos autores é o médico virologista Maurício Lacerda Nogueira, da Famerp - Faculdade de Medicina de Rio Preto.

O artigo "Live Attenuated Tetravalent Butantan–Dengue Vaccine in Children and Adults" apresenta os primeiros resultados do ensaio clínico de fase 3 da vacina, desenvolvida a partir de pesquisa coordenada pelo Instituto Butantan e que envolveu o Centro Integrado de Pesquisa (CIP) do Hospital de Base de Rio Preto e a Famerp.

O imunizante feito com os quatro vírus atenuados, de dose única, evitou a doença em 79,6% dos vacinados ao longo de um período de dois anos, protegendo tanto quem já tinha tido dengue como aqueles sem infecção prévia.

“Ficamos muito felizes com estes resultados. A vacina mostrou um desempenho muito bom. A publicação em revista de altíssimo impacto e visibilidade como o NEJM é o reconhecimento da comunidade médica internacional à competência do trabalho realizado. Vale ressaltar a importância dos cerca de 1.100 moradores de São José do Rio Preto e, em especial, da Vila Toninho cruciais para o estudo. Ainda faltam algumas etapas, mas esperamos que logo tenhamos esta vacina no SUS”, afirmou Maurício Lacerda.

O artigo no New England Journal of Medicine traz os resultados detalhados de eficácia após a imunização, divulgados no final do ano passado.

Trata-se de uma nova perspectiva para o combate da doença em meio ao aumento de casos de dengue no Brasil: nas quatro primeiras semanas de 2024, foram identificados 217.841 casos prováveis da dengue, com 15 mortes confirmadas e 149 sob investigação.

No apanhado de 2023, foram registrados 1,6 milhão de casos prováveis até novembro, segundo o Ministério da Saúde. Além disso, a divulgação do estudo fortalece a possibilidade de aprovação da vacina pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Os dados de fase 3 são muito animadores. A publicação na NEJM, uma revista de prestígio, reforça a qualidade dos ensaios clínicos conduzidos pelo Butantan, a capacidade dos centros de pesquisa e cientistas envolvidos no projeto e o reconhecimento internacional do Instituto”, afirma Esper Kallás, diretor do Instituto Butantan e investigador principal.

“Tudo isso só foi possível graças à colaboração generosa dos participantes que se voluntariaram para o estudo”, completou ele.

A análise de eficácia do imunizante foi feita ao longo de dois anos de acompanhamento de 16.235 voluntários de todo o Brasil, com idades de 2 a 59 anos, em 16 centros de pesquisa. Durante esse período, foram notificados apenas alguns casos de dengue entre os participantes.

O estudo, que iniciou o recrutamento em 2016, seguirá até que todos os voluntários completem cinco anos de acompanhamento.

PARA TODOS

A proteção foi observada em todas as faixas etárias, sendo 90% em adultos de 18 a 59 anos, 77,8% dos 7 aos 17 e 80,1% nas crianças de 2 a 6 anos.

Em pessoas que já apresentavam anticorpos para a dengue antes do estudo, a proteção foi de 89,2%; naqueles que nunca tiveram contato com o vírus, a eficácia foi de 73,6%.

O imunizante teve o mesmo perfil de segurança em ambos os grupos, representando vantagem em relação a outros disponíveis no mercado privado que são indicados preferencialmente para pessoas com infecção prévia.

A vacina do Butantan foi desenvolvida para proteger contra os quatro sorotipos do vírus da dengue (DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4).

Como no período do estudo circularam apenas os sorotipos 1 e 2 no Brasil, até o momento foi possível descrever uma eficácia de 89,5% para DENV-1 e 69,6% para DENV-2.

REAÇÕES ADVERSAS

Em relação à segurança, a maioria das reações adversas foi classificada como leve a moderada, sendo as principais dor e vermelhidão no local da injeção, dor de cabeça e fadiga. Eventos adversos sérios relacionados à vacina foram registrados em menos de 0,1% dos vacinados, e todos se recuperaram totalmente.

Uma grande vantagem potencial da candidata a imunizante do Butantan é que uma dose foi suficiente para fornecer uma proteção robusta contra a dengue, enquanto outras vacinas aprovadas exigem duas ou três doses. O esquema de dose única é muito mais favorável, principalmente durante epidemias, pois induz a proteção da população em um curto espaço de tempo, ajuda a alcançar uma maior cobertura vacinal e traz vantagens logísticas e econômicas.

TUDO COMEÇOU EM 2009

A tecnologia da vacina da dengue foi licenciada para o Instituto Butantan em 2009, pelo Instituto Nacional de Saúde Americano (NIH). A instituição norte-americana cedeu as patentes e os materiais biológicos referentes às quatro cepas virais que compõem o imunizante, permitindo que ele seja produzido e distribuído no Brasil.

Em 2018, o Butantan assinou um acordo de desenvolvimento e compartilhamento de dados com a farmacêutica multinacional MSD, que trabalha em uma vacina análoga, em uma ação conjunta para acelerar os estudos e registro do produto.

A fase 1 do ensaio clínico, desenvolvida nos Estados Unidos (2010-2012) pelo NIH, e a fase 2, conduzida no Brasil (2013-2015), mostraram que a vacina induz produção de anticorpos contra os quatro sorotipos do vírus, e que seu perfil de segurança fundamentava a continuidade dos estudos.

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Da Reportagem Local | 13 de abril de 2024
Unimed Catanduva apresenta ações inclusivas para comitê estadual
Por Da Reportagem Local | 13 de abril de 2024
Atenção à evolução de criança com autismo pode diminuir prejuízo na comunicação
Por Guilherme Gandini | 12 de abril de 2024
Unidades de saúde abrem amanhã para vacinação contra a gripe