Ambulatórios do Hospital Emílio Carlos atendem mais de 53 mil pacientes em 2021
Do total, 52.519 pessoas foram atendidas pelo SUS, sendo Catanduva a cidade com maior número, 20.115
FOTO: Comunicação/FPA - HEC é referência para Catanduva e região, com responsabilidade direta por 19 municípios
Por Da Reportagem Local | 11 de maio, 2022
 

Os Ambulatórios de Ensino do Hospital Emílio Carlos (HEC) atenderam 53.035 pacientes de 19 municípios da microrregião de Catanduva em 2021. A informação consta no relatório anual de atividades da Fundação Padre Albino, mantenedora do hospital.  

Dos 53.035 pacientes, 52.519 foram atendidos pelo SUS, sendo Catanduva a cidade com maior número, 20.115. Em seguida vêm Novo Horizonte, 4.128; Itajobi, 3.290; Pindorama, 2.878; Tabapuã, 2.326; Santa Adélia, 2.224; Ariranha, 1.446; Paraíso, 1.202; Catiguá, 1.110. O Ambulatório atendeu, ainda, 9.509 pacientes de outras cidades. 

As especialidades mais procuradas foram Ortopedia/Traumatologia; Oncologia Clínica; Oncologia Cirúrgica; Cirurgia Plástica e Cardiologia, com maior atendimento para homens de 65 a 79 anos (6.833) e mulheres de 50 a 64 anos (8.701).  

Com relação à internação, foram 3.905 pacientes, dos quais 3.561 pelo SUS. Catanduva foi a cidade com maior número de pacientes internados (1.443), seguida de Pindorama (217); Itajobi (209); Tabapuã (203) Novo Horizonte (185) Urupês (148) e Palmares Paulista (137). O hospital ainda internou 650 pacientes de outras cidades. 

As especialidades mais procuradas foram Clínica Médica, Geriatria, Neurologia, Pneumologia, Cuidados Paliativos, Oncologia Clínica e Oncologia Cirúrgica, sendo que a faixa etária de 65 a 79 anos, tanto para o sexo masculino quanto para o feminino, foi a mais atendida. 

O HOSPITAL  

Inaugurado na década de 60, o hospital era exclusivo para atendimento de tuberculose. No entanto, a doença passou a ser tratada ambulatoriamente e o número de pacientes que necessitava de internação diminuiu a ponto de a unidade hospitalar encerrar suas atividades.  

O hospital foi reativado em 5 de abril de 1983 para atendimento ambulatorial em diferentes especialidades e passou a ser administrado pela Fundação Padre Albino. Em 27 de janeiro de 1986 os setores de internação destinados ao Sistema Único de Saúde/SUS foram implantados. 

Com 32 mil metros quadrados de área construída e 12 alqueires de área total, o HE possui 169 leitos, sendo 132 leitos de Enfermaria SUS, um leito de Hospital Dia, 12 leitos de UTI Adulta e 24 leitos dedicados aos convênios, atendendo assim 85% pelo SUS. É hospital escola dos cursos de Medicina e Enfermagem da Unifipa, mantida pela Fundação Padre Albino. 

Devido à pandemia, no ano de 2021 foram instalados 30 leitos de Enfermaria Clínica, dos quais 22 leitos SUS, e instalados 50 leitos de UTI Adulta Covid-19, sendo 35 leitos SUS. 

O hospital é referência para Catanduva e região, com responsabilidade direta por 18 municípios, além do município sede, e dispõe de ambulatórios com 38 consultórios. O hospital possui, ainda, Centro Oftalmológico com atendimento de glaucoma e exames oftalmológicos, tomografia computadorizada, radiologia, ecocardiograma, endoscopia, broncoscopia, espirometria, ultrassonografia com biópsia de mama, Serviço de Fisioterapia, Terapia Ocupacional, EEG, ECG, Laboratório de Análises Clínicas, Laboratório Anátomo Patológico e Serviço de Radioterapia de Complexo Hospitalar. 

O hospital é certificado como Hospital Universitário junto ao MEC e ao Ministério da Saúde, faz parte da rede de Hospitais Sentinela da Anvisa e é centro de referência para média complexidade para ampla região do Estado de São Paulo.  

 

 

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional.

Por Da Reportagem Local | 19 de maio de 2022
Tumor do aparelho genital masculino é a principal causa de amputação do órgão no Brasil
Por Da Reportagem Local | 19 de maio de 2022
Hospital São Domingos adquire novos equipamentos para o Centro Cirúrgico
Por Da Reportagem Local | 18 de maio de 2022
UTQ do Hospital Padre Albino, referência nacional, atendeu 224 pacientes em 2021