Política e Economia

Terceira Fase da ‘Arquivos Deslizantes’ Tem Oferecimento de Sete Denúncias

(O Regional)
Assine O Regional Online

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou nessa semana a terceira fase da ‘Operação Arquivos Deslizantes’ e ofereceu mais sete denúncias de pessoas de Bauru que, supostamente, teriam participado de fraudes em licitações. A investigação naquela cidade gira em torno de uma licitação realizada em 2012.
“Nesta quinta-feira (9/11), em prosseguimento à Operação Arquivos Deslizantes, o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) ofereceu denúncia contra sete pessoas, em razão de fraude à licitação na Câmara Municipal de Bauru”, informou a assessoria de imprensa do Ministério Público.
Dentre os denunciados, segundo o Gaeco, estão um ex-vereador da cidade que presidia a Câmara no ano em que a compra de arquivos deslizantes teria sido realizada. “Segundo a prova angariada pelo MPSP, participou (vereador de Bauru) da fraude no procedimento licitatório realizado para a aquisição de arquivos deslizantes pela Câmara de Bauru, enquanto ocupava cargo de presidente. Os demais denunciados são donos e representantes das empresas que atuaram na fraude, figurando como membros da organização criminosa desvendada”, afirma o MP.
A primeira fase da Operação Arquivos Deslizantes foi deflagrada em Catanduva no dia 14 de setembro. Os promotores do Gaeco investigam a suposta existência de organização criminosa formada para aplicar fraudes em licitações. Segundo o MP, 70 licitações estariam sob suspeita em um possível prejuízo de cerca de R$ 8 milhões.
“As fraudes ocorreram em diversos órgãos públicos, principalmente Câmaras de Vereadores, em razão da facilidade de acesso que Daniel Palmeira de Lima possuía por ser vereador de Catanduva há vários anos tendo, inclusive, já presidido a Câmara local”, afirma o MP.
O vereador Daniel Palmeira de Lima (PR) é um dos presos da primeira fase. Até a tarde de sexta-feira, dia 10, Lima ainda aguardava o julgamento de Habeas Corpus contra a prisão preventiva.
Questionada, a Câmara de Vereadores de Bauru respondeu tem colaborado com as investigações. “A respeito da denúncia apresentada pelo GAECO – Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado, nesta quinta-feira (09/11), relativa à compra de arquivos deslizantes durante a gestão do biênio 2011-2012, a Câmara Municipal de Bauru informa que tem colaborado com as investigações, fornecendo toda a documentação solicitada pelo Ministério Público do Estado de São Paulo”, respondeu a assessoria de imprensa.
A reportagem não conseguiu contato com o ex-vereador denunciado que também não respondeu por meio de redes sociais até o fechamento da matéria.

Nathália Silva
Da Reportagem Local