Política e Economia

“Sugestão é que a Câmara Faça o Orçamento Dentro das Necessidades”, Diz Macchione

Divulgação

“Minha sugestão é que a Câmara faça sua peça orçamentária dentro das suas necessidades e não dentro do limite máximo permitido por lei”, afirmou o ex-prefeito Afonso Macchione Neto sobre a indicação feita de redução do duodécimo do Legislativo Municipal.
Macchione responde ao presidente da Câmara, Luis Pereira, que afirmou ter feito economia e devolvido mais de R$ 5 milhões em 2019. “Parece-me que o atual Presidente da Câmara não entendeu o teor do texto que foi publicado. Realmente, houve uma economia na gestão deste Presidente em comparação com os anteriores. Por lei, o duodécimo é um percentual constitucional, baseado no orçamento municipal. Acontece que a Câmara aprova o valor máximo permitido e devolve o que não foi gasto ao final do exercício. Historicamente, a Câmara devolveu de 10% a 15 % do que recebeu. Excepcionalmente, esta gestão devolveu 5 milhões, ou seja, aproximadamente, 40% do repasse”, afirmou.
Segundo Macchione, a redução prevista em lei faria com que houvesse a restrição mesmo sendo outro presidente no mandato que começa em 2021. “Dessa forma, evitaremos gastos desnecessários e o próximo Presidente ficaria restrito ao orçamento aprovado. Não sabemos quem será e como será sua gestão financeira. Não correremos o risco de ter um Presidente como o anterior que gastou 11 milhões que não se traduziram em benefício para a população. Essa é a questão”, disse.
E fez uma comparação: “Entendemos que, mesmo com a devolução dos R$ 5 milhões feita pelo atual Presidente, ainda há espaço para economia, uma vez que a Câmara de Botucatu, cidade maior gastou 5 milhões enquanto Catanduva gastou 8 milhões no mesmo exercício, apenas para custeio da Câmara. Convenhamos é muito dinheiro. Com um orçamento baseado nas reais necessidades, o futuro Prefeito não precisaria esperar o resto de caixa enviado no final do ano. Se a Câmara aprovar o duodécimo justo estará dando sua contribuição para a nossa população”.

Karla Konda
Editora Chefe