Início - Perfil: Geraldo Antonio Vinholi
Política e Economia

Perfil: Geraldo Antonio Vinholi

Quando jovem, estudou no Colégio Jesus Adolescente e no Seminário do São Francisco, aqui em Catanduva, e mais tarde, assim como muitos filhos do interior paulista, buscou graduação superior em faculdades da capital do Estado.

Idade: 59 anos (06 de abril de 1953)
Escolaridade: Superior Completo
Naturalidade: Tapinas-SP
Estado civil: Divorciado
É pai de três filhos:
Leandra, advogada formada pela PUC-SP, Juliana, formada em Turismo pela Universidade Anhembi Morumbi, e Marco Antonio, formado em Administração de Empresas pela PUC-SP
Nomes dos pais?
Ideval João Vinholi  e Letícia Zareli Vinholi
Tem irmãos?
Eduardo e Lúcia.
Mora em Catanduva há mais de 10 anos e seu grupo empresarial possui varias atividades na cidade.
Quando jovem, estudou no Colégio Jesus Adolescente e no Seminário do São Francisco, aqui em Catanduva, e mais tarde, assim como muitos filhos do interior paulista, buscou graduação superior em faculdades da capital do Estado. Formou-se em Economia na PUC-SP, enquanto trabalhava na VASP, à época uma das três maiores empresas de aviação do País. Especializou-se em Marketing, Estatística, Administração Pública, em instituições consagradas como Fundação Getúlio Vargas, Valplan, USP, Ipea, entre outros.
Ocupou um dos postos mais elevados da Vasp, gerente de Marketing. Daí, passou a ocupar com destaque cargos diretivos no Governo do Estado.
Foi superintendente na Conesp que construía e administrava todas as escolas em todo o  Estado de SP, durante o Governo Montoro, quando José Serra era o secretário de Planejamento. Na EMTU, Empresa Metropolitana responsável pelo transporte público de ônibus de mais de 1,5 milhão de passageiros diariamente nas 39 cidades da região metropolitana, incluindo a Capital, transportados por mais de 10.000 ônibus. Foi presidente por quatro anos e obteve excelente aprovação de 98% dos usuários, como serviço de boa qualidade.
Foi diretor da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Junto com o então vice-governador e secretário dos Negócios Metropolitanos, o hoje senador Aloysio Nunes Ferreira Filho, ampliou os padrões de segurança e prestação de serviços.
Foi da Secretaria de Planejamento do Estado, responsável por realizar obras de canalização de córregos, asfalto, infra-estrutura nas regiões mais necessitadas da região metropolitana de SP.
Foi secretario de Industria e Comércio em Itaquaquecetuba.
Foi secretario do Trabalho e Emprego na Capital de São Paulo, tendo batido recorde na geração de emprego e capacitação profissional.
 Os bons resultados na administração pública levaram Geraldo Vinholi à Assembleia Legislativa, como deputado Estadual, por 4 mandatos consecutivos. Após uma tentativa em 1994, quando obteve quase 20.000 votos, Vinholi foi eleito em 1998 com mais de 40 mil votos de toda a região de Catanduva. Teve o apoio do médico catanduvense Nobuaki Gozi. Já no primeiro mandato foi líder do partido na Assembleia. Foi presidente da Comissão de Agricultura e autor da Lei que tornou obrigatória a inclusão do suco de laranja na merenda escolar, beneficiando produtores e estudantes.
Foi presidente da Comissão de Fiscalização e Controle da Assembléia Legislativa, coordenador do Grupo Terceiro Setor, presidente da CPI dos Pedágios, cujo trabalho suspendeu a instalação de 70 novas praças de pedágio. Também foi vice-presidente e relator da CPI dos combustíveis. Nesta ocasião Vinholi defendeu a utilização de um sistema integrado de controle de venda de combustíveis.
Em 2002, Vinholi foi reeleito com quase 70 mil votos.  Amigo pessoal de Leonel Brizola, o deputado Geraldo Vinholi passou a integrar a Executiva Estadual e o Diretório Nacional do Partido Democrático Trabalhista (PDT).
Conquistou o apreço de lideranças municipais e, pela extensa folha de serviços prestados à região, foi honrado com mais de 20 títulos de cidadania.
Em sua candidatura a prefeito em 2004, alcançou quase 21 mil votos.
No ano seguinte, Vinholi é eleito membro da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. Nas eleições estaduais de 2006, Vinholi conquistou o seu terceiro mandato parlamentar. Com mais de 80 mil votos, retornou à Assembleia Legislativa como o deputado mais votado de Catanduva. Um ano depois, a convite do governador José Serra, Vinholi tornou-se secretário do Trabalho da capital paulista.
Em 2008, foi candidato a prefeito mais uma vez, e aumentou sua votação de 21 mil para quase 25 mil votos, ficando mais uma vez em segundo lugar na disputa. Após a mudança de rumos na política do PDT, transferiu-se para o PSDB. Com a disputa das eleições de 2010, mesmo como suplente, assumiu o seu quarto mandato desde o inicio, e pode trazer muitas verbas para Catanduva, como R$ 3,5 milhões para a Radioterapia do Hospital Padre Albino, verbas para entidades e asfalto de bairros.
Disputa agora sua oitava eleição, sendo a terceira para prefeito de Catanduva.