Política e Economia

Macchione Reúne Equipe e Representantes da Ferrovia Para Discutir Projetos

TÉCNICOS da Prefeitura e da concessionária em reunião (Assessoria Prefeitura)
Assine O Regional Online

Técnicos da Prefeitura de Catanduva e da concessionária responsável pela linha férrea que corta a cidade se reuniram nesta semana para discutir soluções possíveis para reduzir os transtornos que a passagem das composições gera para a população.
A reunião aconteceu dias depois que o prefeito Afonso Macchione Neto (PSB) foi a São Paulo para uma primeira reunião. Em entrevista ao Jornal O Regional, Macchione afirmou que estão em pauta soluções para problemas pontuais.
“Em função de todos os acontecimentos a gente tem pressionado bastante a concessionária na busca por uma solução. Senão aquela definitiva que é a transferência da linha que a gente sabe que é custosa, demorada, que não é uma coisa que vai sair agora, que é uma semente que estamos plantando para que um dia isso venha a acontecer, outra solução”, disse o prefeito.
O prefeito disse acredita que tenha conseguido convencer a empresa sobre os transtornos que os moradores da cidade enfrentam com as condições da malha férrea. “Chegamos a um denominador que realmente precisamos tomar alguma medida mais rápida. Em função disso, algumas soluções têm sido discutidas para minimizar esse transtorno. Eles apresentaram alguns estudos, nós não achamos viáveis. Nos colocamos a disposição para elaborar outros estudos e é isso que nós estamos fazendo. Assim que tivermos alguma coisa um pouco mais concreta vamos sentar novamente e estudar viabilidade, custos para ver se eles conseguem dar essa opção para nós nas passagens dos níveis da ferrovia”, informou.
Segundo o prefeito, dentre as alternativas em estudo estariam a construção de viaduto e melhorias em passarelas. “A proposta deles era fazer um viaduto que pudesse dar uma boa vazão. Nós estamos discutindo. Eles também têm necessidade de melhorar a passarela aqui do centro, da Santa Catarina, inclusive com acessibilidade. Nós temos o problema da passarela da Rua Sete de Setembro que também temos que torna-la acessível. São vários pontos que estamos discutindo e nos próximos dez dias teremos, provavelmente, alguma definição da nossa parte. Vamos ficar nesse bate bola até encontrar um ponto em comum para minimizar esse transtorno”, declarou.
Macchione faz questão de frisar que não descarta o projeto de retirada dos trilhos da região central. Ele também rebateu comentários de que a retirada dos trilhos seja apenas promessa política. “Temos que ter os pés no chão. Não podemos pedir algo que extrapole a possibilidade da empresa de nos atender no momento porque o nosso grande objetivo é ainda a mudança da linha. Não é promessa de campanha, a promessa é de que nós lutaríamos e brigaríamos até o último momento para que as coisas fossem encaminhadas. Enfim, tudo com muita ponderação e sabendo de todas as dificuldades que seriam encontradas”, finalizou.

Nathália Silva
Da Reportagem Local