Política e Economia

Catanduva Não Consegue Critérios Classificatórios Para Escola Cívico-Militar

O Ministério da Educação (MEC) anunciou, na quinta-feira (21), as cidades que receberão o projeto-piloto do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares no ano que vem. Ao todo, 54 instituições de ensino serão instaladas em 23 estados e no Distrito Federal em 2020. Em São Paulo, a cidade de Campinas foi a única contemplada. “Continuamos trabalhando para que o Estado receba mais unidades a partir de 2021”, afirmou o deputado estadual Tenente Coimbra (PSL).
A tão aguardada escola cívico-militar em Catanduva não acontecerá em 2020, em nota ao jornal O Regional a prefeitura divulgou: “A Prefeitura de Catanduva tomou todas as medidas necessárias para que o município receba uma escola cívico-militar do Governo Federal. Infelizmente, apenas Campinas foi escolhida nesta primeira etapa, mas o pleito de Catanduva permanece”. Conforme havia informado o deputado ainda na semana passada, a princípio, Campinas, Sorocaba e Santos haviam sido selecionadas para receberem uma escola cívico-militar. Contudo, o MEC reduziu para somente uma e, com isso, foram aplicados alguns critérios de excludente”.
João Cesar Morais, (ex- PSL) que trouxe a noticia na época da possível implantação comentou que não vai descansar até trazer a escola cívico-militar que agrega muito a educação e na sociedade dos catanduvenses. João Cesar que migrou para o novo partido do Presidente Bolsonaro e esteve na abertura oficial do partido de número 38, em Brasília.
Os critérios considerados classificatórios no processo de escolha dos municípios foram: a quantidade de militares da reserva residindo na cidade; o município ser capital do estado ou pertencer à região metropolitana; estar situado na faixa de fronteira; e faixa populacional, considerando a realidade estadual. Ainda segundo o MEC, em caso de empate, foram considerados prioritários os municípios mais populosos dentro de cada estado. “A cidade de Campinas possui a 11ª Brigada de Infantaria Leve que conta com milhares de militares e isso auxiliou para que saíssem à frente nestes critérios, foi uma decisão coerente”, considerou o Tenente Coimbra.
O deputado solicitará ao MEC a criação de uma modalidade para que os municípios ainda possam aderir ao modelo de ensino, mas bancando os custos de implantação. “Vamos tentar viabilizar, junto ao MEC, uma forma das prefeituras aderirem às escolas cívico-militares, desde que sejam as responsáveis pela contratação de profissionais. Vou conversar com o prefeito de Santos em relação a isso”, informou Coimbra.

Ariane Pio
Da Reportagem Local