Polícia

Polícia Ambiental Lança Projeto ‘Propriedade Amiga’

Policiamento rural faz parte das parcerias para o desenvolvimento de cursos (Divulgação)
Assine

A Polícia Ambiental lança nesta segunda-feira (17) o projeto “Propriedade Amiga”. O objetivo da ação é o de combater crimes em áreas rurais. A iniciativa foi estudada por meses até ser implantada em todo Estado de São Paulo. Metas e planos foram debatidos pelas equipes. Catanduva também segue com as medidas que devem auxiliar tanto a polícia quanto os donos das propriedades que ficam em áreas rurais da região.

Em entrevista ao O Regional, o 1º Tenente da Polícia Ambiental de Catanduva, Alonso Wendel Ferreira da Silva, conta que o próprio produtor, voluntariamente cadastra os bens que possui. “Como tratores, defensivos agrícolas (que são muito roubados e contrabandeados), marca de gado e etc. Com a novidade, assim quando furtados ou roubados os itens podem ser encontrados pela polícia militar em qualquer lugar do país”, disse.

Silva destaca que atualmente o maior problema com furtos e roubos na área rural é com relação à falta de identificação do material que com o programa de policiamento comunitário rural será resolvido.

“A importância é que vai dar mais segurança aos moradores da área rural. A partir de amanhã, será liberado no site da Polícia Militar Ambiental (www.policiamilitar.sp.gov.br), a aba propriedade solidária, onde o produtor cadastrará os bens que possui na propriedade. Em 15 dias uma de nossas equipes irá procura-lo para orientar quanto à segurança na área rural”, complementa Silva. O telefone da Polícia Ambiental de Catanduva está à disposição para dúvidas (17) 3531-9610.

Com o objetivo de proteger o patrimônio ambiental, associado a ações de segurança pública, o policiamento rural faz parte das parcerias para o desenvolvimento de cursos “Para melhoria da qualidade dos serviços prestados pela organização, à comunicação institucional e aproximação da população ao fortalecimento dos mecanismos educacionais e de prevenção e à inovação tecnológica, como a implantação da tecnologia da Fiscalização Ambiental Digital”, explica.

Cíntia Souza
Da Reportagem Local