Polícia

Fábrica Clandestina de Torresmo é Multada em R$ 12 Mil

Polícia chegou a fábrica clandestina depois de denúncia anônima (Divulgação/Polícia Ambiental)
Assine O Regional Online

Uma fábrica supostamente clandestina de torresmo foi multada em R$ 12 mil em Catanduva. O produto que era feito no local foi considerado impróprio para o consumo. O flagra foi registrado ontem (10) na área urbana da cidade. A informação é do 1º Tenente Alonso Wendel Ferreira da Silva, comandante da Polícia Ambiental de Catanduva.
Silva explica que as equipes teriam recebido uma denúncia anônima de que o local funcionaria de forma clandestina. Quando os policiais ambientais chegaram ao local teriam comprovado que além de irregular, a situação seria insalubre.
Além da Polícia Ambiental, as equipes da Defesa Agropecuária da Região de Catanduva estiveram no local. Eles recolheram a matéria-prima e destruíram todos os itens, além de aplicarem a multa.
Após vistoria feita por médico veterinário no local, a Defesa teria comprovado que não havia condições mínimas de funcionamento da fábrica. Todo o material usado na produção do torresmo foi apreendido e levado ao Centro de Gerenciamento de Resíduos de Catanduva, onde foi destruído.

Outra fábrica  clandestina  fechada em 2013
Foi em 2013 que outra fábrica clandestina teria sido fechada, desta vez em Santa Adélia. O estabelecimento funcionava em uma área rural da cidade. Conforme informações da Polícia Militar, as equipes realizavam patrulhamento no trecho quando teriam descoberto a fábrica.
O local não possuía licença ou autorização dos órgãos competentes. Na época a Vigilância Sanitária também foi acionada. O proprietário da fábrica foi autuado pela Polícia Ambiental e multado pela equipe de Vigilância Sanitária, devido as más condições de higiene e armazenamento, além da venda irregular dos produtos.
No total, foram apreendidos 230 quilos de toucinho, 72 quilos de linguiça e 400 litros de gordura animal. Todos os itens, que seriam vendidos no comércio da cidade não, teriam condições de higiene.

Cíntia Souza
Da reportagem local