Peneira Fina

PENEIRA FINA 11-12-2018

Eleição da Câmara
Hoje a sessão do Legislativo será voltada para a eleição do novo presidente da Câmara, que comandará a Casa de Leis pelo Biênio 2019/2020. Diferentemente de anos anteriores, ao que parece, não teremos nomes como de Daniel Palmeira, que sempre disputa a liderança da Casa. Por outro lado, aparece Luís Pereira, tucano que é vereador há vários anos em Catanduva. Mas em nenhum deles teve o interesse de ser o presidente. Neste ano a conversa parece ter mudado de rumo. Pereira, considerado um dos parlamentares que tem tráfego direto entre oposição e situação, tem dito sempre nos últimos meses sobre respeitar o Regimento Interno da Casa de Leis e atuar visando ele e a Lei Orgânica do Município. Desta forma, não fica “mal” em nenhum dos lados. Seu concorrente, pelo menos ao que foi citado por ai, seria Mauricio Gouvea, que faz oposição ferrenha ao governo e que, justamente por isso, deixaria de ter alguns votos de vereadores mais situacionistas.

Aguardaremos
E se falando em eleição da Câmara tudo pode mudar até o último segundo. Foi o que aconteceu quando houve a eleição de Aristides Jacinto Bruschi e Daniel Palmeira teve de desistir de sua candidatura à presidência da Casa.

Confortável
Fato é que se Luís Pereira for eleito o Chefe do Poder Legislativo vai deixar uma situação mais “tranquila” para o prefeito Afonso Macchione Neto. Nos últimos dias os embates com o atual presidente da Câmara tem sido intensos.

Como fica?
Resta saber como votam os vereadores de partidos adversários do tucano. Como Wilson Paraná e Gaúcho do PT. Ditinho Muleta, Nilton Cândido, André Beck, Amarildo Davoli estão em partidos mais “neutros” quando se fala em sigla adversária.

O que mudou?
E se de fato Luís Pereira é candidato e for eleito presidente da Câmara, o que mudou diante de discursos de anos anteriores de que não teria o perfil para administrar toda a Casa de Leis. Pereira tem um trabalho atuante em seu escritório no qual atende e muito a população.

Sessão longa
Pode ser que essa última sessão ordinária do ano – os vereadores entram em recesso após ela – seja extensa. Não tanto por proposituras a serem votadas, boa parte será em segunda discussão. Mas pela votação dos vereadores, a participação do presidente da Fundação Padre Albino que fará um balanço sobre os atendimentos prestados a Catanduva neste ano.

Extraordinárias
E não estão descartadas a possibilidade de realização de sessões extraordinárias pela Câmara de Catanduva. Um dos projetos pendentes está o que regulamenta a atividade dos motoristas por aplicativos, que tem um grande número de apoiadores.

Será que votam?
Será que os vereadores de Catanduva ainda votarão o projeto que reduz a jornada de trabalho dos médicos especialistas e servidores municipais? O pedido foi feito pelo Conselho Municipal de Saúde que concorda com a medida para equiparar os salários dos médicos e, desta forma, os especialistas cumprem a jornada de trabalho diária, o que hoje, pouco acontece e que já vem sendo investigada pelo Ministério Público depois de denúncias do próprio conselho.

Não sabemos
Não sabemos se o prefeito Afonso Macchione Neto encaminhou, mais uma vez, o projeto sobre a jornada dos médicos ao Legislativo. A Câmara devolveu a propositura e, por esse motivo, ela pode voltar a ser votada ainda neste ano.

Alô Região!
Eleitores de sete municípios paulistas (Salmourão, Redenção da Serra, Dracena, Ouro Verde, Cajobi, Embaúba e Rinópolis) devem ficar atentos ao fim do período de cadastramento obrigatório da biometria, que se en­­­cer­ra em 19 de dezembro. Quem não fizer o procedimento de coleta das di­­gitais até o prazo estabelecido terá o título cancelado. Entre essas ci­­­dades, três têm taxa de comparecimento abaixo do esperado: até terça-feira (4), aproximadamente 38% dos eleitores de Embaúba haviam rea­lizado a biometria, enquanto que em Cajobi e Redenção da Serra o índice era de 41%. O município com o cadastro mais avançado é o de Ouro Verde, com 86%. Para a revisão do cadastro, o cidadão deve agendar seu atendimento no site do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) e comparecer ao cartório de seu domicílio com documento oficial de identificação, comprovante de residência com no máximo três meses de emissão e título eleitoral, caso o tenha. O procedimento inclui, além da coleta das impressões digitais do eleitor, fotografia e assinatura.

Diplomação
Em sessão solene realizada na tarde de segunda-feira (10), a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, fez a entrega dos diplomas aos candidatos eleitos à Presidência da República nas Eleições Gerais 2018, Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão. Realizada no Plenário do TSE, a cerimônia de diplomação confirma que os escolhidos pelos eleitores cumpriram todas as formalidades previstas na legislação eleitoral e estão aptos a tomar posse nos mandatos para os quais foram eleitos. Na mesa de honra da sessão solene, Bolsonaro e Mourão sentaram-se à direita da presidente da Corte, que esteve acompanhada, à sua esquerda, do vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux. Também compuseram a mesa a procuradora-geral Eleitoral, Raquel Dodge, os presidentes da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia, do Senado Federal, Eunício Oliveira, do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, e ministros do TSE.

“Aos que não me apoiaram, peço sua confiança para construirmos, juntos, um futuro melhor para o nosso país. Governarei em benefício de todos, sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião”,
Jair Bolsonaro, presidente eleito em sessão de diplomação.

Da Redação

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar