Peneira Fina

PENEIRA FINA 06-12-2017

Assine O Regional Online

Mais 30 dias
A sessão da Câmara de Vereadores de terça-feira, dia 5, começou mais uma vez com pedido do vereador Daniel Palmeira de Lima (PR) de licença por mais 30 dias. As licenças são alternativas para que Palmeira não perda o mandato por faltas já que está preso preventivamente desde a deflagração da Operação Arquivos Deslizantes. O pedido assinado pela esposa do vereador é datado de dia 4 de dezembro, apesar de ter sido confirmado somente no dia 5 pela defesa do vereador. O novo pedido foi aprovado por unanimidade, ou seja, os vereadores Amarildo Davoli (PSB) e Maurício Gouvêa (PV), aparentemente, desistiram de pedir a suspensão do colega para evitar que ele receba salários enquanto está preso. Compreensível, já que, com a licença, Palmeira também não deve receber o subsídio.

Nega pressão
De acordo com o advogado responsável pela defesa do vereador Daniel Palmeira, a decisão de pedir mais uma licença não teria qualquer relação com a pressão exercida por Davoli e Gouvêa ao anunciarem que pediriam a suspensão de Palmeira. Segundo Cássio Spósito, o cliente não acha justo receber o salário enquanto não exerce o cargo. Nos bastidores já se comentava que não ficaria muito positivo para o próprio Palmeira não se licenciar e ‘reassumir’ o cargo.

Qual o preço?
O Imprensa Oficial do Município trouxe na edição de terça-feira, dia 5, informação sobre a contratação de hospital de Itajobi para a gestão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). A contratação foi realizada pelo Consórcio Público Intermunicipal de Saúde da Região de Catanduva (Consirc) e a contratada é a Irmandade de Misericórdia do Hospital São José de Itajobi. O extrato traz ainda informação sobre a vigência do contrato, 180 dias a contar de 1º de dezembro de 2017. O detalhe é que a publicação não traz o preço pago. O presidente Rubens Francisco poderia se atentar a esse detalhe nas próximas publicações do Consirc, afinal transparência nunca é demais na gestão de serviços públicos.

Falando nisso…
Por falar na transferência do custeio do SAMU para o Consirc, não deveria o valor do contrato futuro que o Governo celebrará ter diminuído já que um dos serviços de relevância deixará de ser realizados pela nova organização social contratada? É a pergunta que fica já que o valor do contrato deve subir e não baixar.

Nas redes I
Mais uma vez a deputada estadual Beth Sahão (PT) utilizou as redes sociais para reclamar do governo do Presidente da República, Michel Temer (PMDB). O assunto da vez já chegou nas cozinhas da maioria das casas brasileiras: mais um aumento no preço do gás. Beth sugere até o resgate do fogão a lenha.

“Além de correr o risco de perder sua aposentadoria e trabalhar de forma análoga à de escravo, agora a população tem que sobreviver diante do sexto reajuste consecutivo do gás de cozinha. Desta vez o aumento foi de 8,9 %, o que só piora a já abatida situação financeira do brasileiro. Temer e os golpistas fizeram o Brasil retroceder ao tempo do fogão a lenha!”,
BETH Sahão (PT), deputada estadual.

Nas redes II
O prefeito também usou as redes sociais para compartilhar vídeo gravado com alunas do curso de panificação. “Entregamos 30 certificados de participação no curso gratuito de Panificação realizado na Cozinha Piloto. De forma espontânea, as alunas gravaram depoimentos sobre o sentimento de realização por essa fase concluída. Parabéns a todas e que venham novas oportunidades nessa área!”, publicou Macchione.

Respondeu
Além de postar o vídeo, Macchione também respondeu comentários das internautas que manifestaram interesse em participar do curso. O chefe do Poder Executivo recomendou que a interessada faça contato com o Fundo Social (17- 3523-3317) e adiantou que neste ano não tem mais turma, mas em 2018 haverá.

Novo Horário
O Governo mandou texto para a imprensa sobre o projeto de lei enviado para a Câmara com o objetivo de alterar o horário de funcionamento do comércio na cidade. O tema foi abordado por Macchione no discurso na Estação Cultura, no sábado, dia 2. “Nossa ideia é que a Prefeitura interfira o mínimo possível na vida do empreendedor que queira trabalhar, gerar emprego e renda. A livre iniciativa ao trabalho é um princípio básico da Constituição Federal e, em tempos de crise, deve ser muito valorizada”, ressalta Macchione.

Não vem
O texto tem declaração de representante da Havan dizendo que há intenção do grupo em trazer a loja para a cidade, mas com a lei do jeito que está não vem. “Li toda a lei do horário de funcionamento do comércio na cidade. Da forma que está, infelizmente nos impede de estabelecer-nos na cidade, só vamos onde o horário do comércio, indústria e serviços é livre, respeitando as leis federais. De todas as cidades que estamos, nenhuma tem uma lei tão truncada e impeditiva quanto a de Catanduva, ela é muito antiga os tempos e as relações trabalhistas hoje são outras”, teria dito Nilton Hang, um dos responsáveis pela Havan.

Apimentando
Interlocutor apimentou o debate sobre o projeto de transferência da gestão dos serviços de lixo para a SAEC e a emenda do vereador Amarildo Davoli (PSB) lembrando que o próprio vereador, quando Geraldo Antônio Vinholi (PSDB) era prefeito, ajuizou ação na justiça para contestar as devoluções de dinheiro da autarquia para a Prefeitura. “Vereador Amarildo deve ter se esquecido que quando era oposição ao Prefeito Vinholi, ajuizou ação popular reclamando dos repasses, considerando inconstitucional e ilegal tal repasse”, comentou. A ação popular acabou sendo extinta por não ser via não adequada a esse tipo de discussão.

Da Redação




Adicionar comentário

Clique aqui para comentar