Opinião

QUEREM DEMITIR O PREFEITO

Assine

O processo se originou em requerimento do professor aposentado, Senhor Antônio Flavio De Fazio que sugere possível infração administrativa do prefeito. Como histórico politico ele é partidário do socialismo e, nesta última eleição para vereador obteve 341 votos na legenda PSB/REDE. Por suas opiniões conflituosas nunca se elegeu vereador. Somou apoiando Macchione e agora se volta contra. Como cidadão, fora da vida pública é uma excelente pessoa. Nas suas críticas ao prefeito, ao que parece é inimigo da competência afinal este governo já pagou quarenta milhões da nefasta administração anterior e o município ainda está na sala de recuperação. Por onze votos a dois a Câmara aprovou a comissão processante para apurar a utilização de veículos da frota municipal para o transporte coletivo. Onze vereadores se deleitam em quimeras. Contra a abertura votaram Cidimar Porto e Luis Pereira. André Beck foi integrante do governo petista de Felix/Beth, portanto é de esquerda e se elegeu vereador apoiando Afonso e agora também faz parte da turma do “ele não.” Dizem que Ivan Bernardo se constituía em bom investimento para enaltecer o legislativo, entretanto houve-se alhures que os decepcionados se multiplicam. Daniel Palmeira na Câmara é um acinte à nossa razoável inteligência e o enfermeiro Ari foi condenado por improbidade administrativa. Quanto a Nilton Cândido, que almeja ser prefeito, sou de opinião que está dando o passo político mais errado; sinceramente, não entendi esse procedimento. Os demais vereadores também se acomodam nesse ninho cujo lema que vem há décadas é: “aqui, prefeito tem que se ajoelhar.” O protagonismo desses vereadores é de arrepiar basta comparar o que não fizeram com Vinholi e o que fazem com Macchione e ainda o que querem fazer com Cidimar. É mole? Então eu me pergunto: Por que tem que ser assim? Por que não entender que um contrato de licitação para o transporte coletivo tem que ser por dez anos para que uma empresa possa diluir todos os custos? Empresa alguma poria carros novos, ar condicionado e gratuidade para idosos além de passagens com custos menores para estudantes e funcionários do município. Esse custo é altíssimo e quem paga a conta são os demais usuários. Para que se tenha uma ideia, no último levantamento constatou-se que em um mês a catraca girou 249.000 vezes sendo que desse montante 103.000 vezes (41%) se referem a gratuidades. Com base nesses dados a empresa recolhe o ISS. O município de Rio Preto optou por subsidiar parte desses custos fazendo com que a passagem fique um pouco mais barata. Os vereadores precisam despir-se das prerrogativas e reconhecer que reter por noventa dias um processo licitatório não é, a meu ver, nada patriótico. Convenhamos: Se por tão poucas picuinhas querem tirá-lo do comando da cidade por que não afastaram o anterior que deixou Catanduva financeiramente de joelhos? O que dizer de uma comissão processante cujos membros, os Senhores Ditinho e enfermeiro Ari mantiveram no ninho Daniel Palmeira quando, pela ética, deveriam tê-lo afastado até a decisão final do inquérito? Senhor Ari o que foi mais benéfico: prover a população utilizando a frota municipal ou gastar R$ 122.000,00 na repintura do prédio da câmara sem necessidade alguma, pois Daniel Palmeira havia gasto R$ 160.000,00 pouco antes, e você ainda gastou R$ 30.000,00 na compra de bandeiras para todas as salas da Câmara. O eleitor esclarecido anota todos os vossos procedimentos. Voltando ao assunto em pauta esse protagonismo da Câmara assusta e envergonha os homens de melhor nível de consciência. O que dói na alma é que fatos e julgamentos esdrúxulos acontecem, ora no legislativo, ora no judiciário. Por isso o Brasil tem mais de treze milhões de desempregados enquanto nações organizadas, civil e culturalmente progridem. Tenho plena convicção de que falta ao homem deste planeta união e civismo para se formar uma massa crítica disposta a construir o bem comum; sem esses valores continuaremos sendo um planeta primitivo..

José Luiz Ferreira
contabilista e poeta
email: jlmirria@gmail.com

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL