Opinião

PERSPECTIVA NA ECONOMIA

Finalmente, a atual gestão governamental do Poder Central conseguiu o que as anteriores não tiveram êxito. Foi aprovada, após oito meses de intensos debates e de marchas e contramarchas, a Reforma da Previdência Social, um feito que, no entender de milhões, aconteceu num momento oportuno e indispensável.
Tal aprovação do sistema previdenciário irá contribuir para o desenvolvimento econômico com uma previsão de 800 bilhões para o aquecimento da economia durante 10 anos, razão pela qual na impossibilidade da reforma previdenciária, os cofres públicos iriam encontrar com o decorrer dos anos dificuldades para pagamento aos beneficiários e pensionistas do INSS de todo o país.
Porém, de outro lado, há necessidade de outras reformas de base, que possam dar sustentação ao próprio desenvolvimento, entre elas, a reforma tributária, além da administrativa, para que o país caminhe firme pelos trilhos do progresso efetivo, a fim de estar aparelhado para o enfrentamento de situações advindas de vários setores, com o intuito de estimular a própria economia em toda a sua plenitude.
Saliente-se, à vista do que narramos até aqui, o fato de que a carga tributária é simplesmente insuportável a todos que têm atividade profissional, pois desde há muito vem atingindo o patamar de 38% do PIB ( Produto Interno Bruto), sem que a administração pública, mormente em nível federal, atente para esse detalhe, visando algumas fórmulas para a redução desse índice.
É evidente que, havendo por parte do governo melhor incentivo às empresas, sejam de grande ou pequeno porte, poderão se expandir a contento e de uma forma mais saudável, aumentando a chance daqueles que lutam por uma vaga junto ao mercado de trabalho, por sinal, uma luta incessante das pessoas desempregadas de todo o país.
Com a eliminação das situações burocráticas, faz com as empresas passem a se desenvolver mais rapidamente sem os freios desnecessários, muito pelo contrário, fundar e desenvolver empresas são atos fundamentais e necessários, estando neste contexto e com exclusividade as indústrias que geram receita tanto à União como ao Estado a que pertencem, que são o IPI ( Imposto Sobre Produtos Industrializados) e ICMS em favor do Estado.
O atual governo, na pessoa do presidente Jair Bolsonaro, conseguiu um feito indispensável com a possibilidade de conquistar outros que se constituem nas reformas que abrangem outros setores, entre eles, a redução da despesa pública; esta, por sinal, é uma das grandes preocupações em confronto com as arrecadações de toda a natureza.
O sistema da máquina estatal precisa ser melhor disciplinado, embora seja uma tarefa difícil, porque envolvem interesses de várias áreas políticas e tudo leva a crer que esses interesses impedem providências para o andamento adequado e correto das atividades estatais. Como exempo típico, tivemos tempos atrás um dos maiores escândalos no que tange à Petrobrás, culminando com processos contra personalidades que estavam no comando da maior empresa estatal.
Lutar contra forças poderosas é uma das missões mais difíceis que se possa imaginar, onde irá requerer muita vontade política e senso de patriotismo para eliminar o que está errado. Nessas condições, há necessidade de uma luta em prol da normalidade e do próprio andamento da máquina administrativa.
Apesar dos pesares, tendo o governo conseguido o seu intento e luta para que a reforma previdenciária viesse a se tornar realidade, abre um leque para investimentos importantes e que venham a dar ênfase às boas iniciativas do complexo adminsitrativo. É preciso que os homens se entendam, visando, com este objetivo, o melhor para o crescimento do país em todos os ângulos de progresso sólido e compatível com o próprio desenvolvimento das demais nações do mundo inteiro.
Afinal, enquanto existir uma pequena fumaça saindo de algum lugar, é uma chama de esperança, onde a luta por um ideal deva ser intensificada, porém, deixemos de lado os milagres e passemos a acreditar nas coisas boas e produtivas que esse governo possa brindar a população com melhores qualidades de vida, principalmente a classe de baixa renda com investimentos de suma importância.

Alessio Canonice
alessio.canonice@bol.com.br

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL