Opinião

OS FILHOS DA GLOBO

É muito gratificante perceber que, enfim, a sociedade brasileira acordou de um sono profundo, em cujas raízes a doutrinação comunista trouxe apenas ilusões, misérias profundas e dores inimagináveis. Infelizmente aprendemos com o sofrimento, seja ele físico ou moral. Uns sofrem menos, outros sofrem mais. É uma questão de zelo e reflexão, pois toda semeadura tem a sua colheita. A paternidade muitas das vezes, tem a sua origem fora do campo da genética. Para uns, em determinadas circunstâncias, é amor à primeira vista. Para outros, nasce na construção do futuro. Em ambos os casos, em face da ignorância espiritual da individualidade humana, os alicerces da ética e do patriotismo podem construir para si, família ou grupo, pesados fardos para futuras existências. O protagonismo de governos anteriores e a condescendência dos brasileiros resultaram na falência moral e financeira da nação. Para muitos, a confiança na impunidade pela lei dos homens pode até acontecer, entretanto, no contexto espiritual, família, sociedades e nações, com trabalho, sofrimento e lágrimas, todos pagam pelas arbitrariedades cometidas. O homem com visão de mundos, por pouco conhecimento que possa ter, percebe que a realidade existencial comporta razões bem mais profundas, muito distante dos preceitos religiosos. Enfim, é sempre uma questão de níveis de consciência. O planeta está convulso e a humanidade precisa compreender que não está acéfala e se o presente estágio ainda é o de matarem-se uns aos outros, aguardemos dias ainda piores. Eu aprendi que em primeiro lugar devemos gratidão ao Criador, depois à Pátria e em terceiro lugar à família. Em vinte anos de governo esquerdista a Globo monopolizou a mídia recebendo altíssimas receitas do governo, inúmeras em desacordo com padrões éticos; a Globo tem dívidas com o governo que, segundo a mídia, chega a dois bilhões de reais. É lícito afirmar que somou com o governo para a falência moral e financeira da nação e agora, com o novo governo, persiste em doutrinar a opinião pública e derrubar um governo militar eleito democraticamente. Quem tem telhado de vidro precisa repensar suas opiniões. É melhor optar pela decência e perder o emprego do que mantê-lo vendendo a alma ao diabo, (estruturas alienígenas dominadoras). O viés é: Deus, Pátria e Família. Diria também que no contexto cósmico é: Deus, Civilizações Planetárias e Fraternidade. Na construção do mal é fácil perceber que os filhos da Globo, com as devidas exceções, fazem parte de um projeto de domínio planetário desconectado das Leis do Criador; por isso são desprovidos de sentimentos patrióticos e são mestres brilhantes na manipulação da realidade. Eu, se tivesse como pais muitos deles, sentiria vergonha. Saibam eles, filhos da Globo, que não conseguirão destruir o novo alinhamento democrático entre o presidente, seus ministros e as Forças Armadas, reserva moral da nossa querida Pátria. Não subestimem o patriotismo e a capacidade administrativa do Exército, Marinha e Aeronáutica. E tem mais, não existe opção para reverter o projeto Bolsonaro, muito menos para salvar a emissora com o despreparado Luciano Huck, passageiro da maionese, garantidor da XP. Resumindo: muitos dentre eles, funcionários, dirigentes e patrões, com certeza, estarão juntos em novas reencarnações. E o pior, poderá não ser neste planeta. E pior ainda, em situação bem adversa aprendendo, através do sofrimento, a valorizar a Pátria que lhes dá abrigo. É a lei da semeadura e da colheita. No contexto midiático nota-se também, com as devidas exceções, que existe um contingente de jornalistas despreparados, alguns estúpidos e boçais que também vendem a Pátria para preservar o emprego. Quanto à Amazônia, na focagem do momento, é crível que jornalistas que se prezam saibam da existência de centenas de ONGs com a única finalidade de se locupletarem das riquezas minerais e da biodiversidade. Muitos brasileiros estão vendendo parte dela por debaixo do pano e, perguntar não ofende: há políticos, prefeitos e chefes indígenas envolvidos? Quem sabe!? Finalizo este texto afirmando que o planeta está em época de “balanço”, biblicamente falando significa “separação do joio do trigo”. Portanto, a mudança vem das hostes do Comando Planetário e ninguém, força alguma, impedirá esse procedimento. Todas as nações da Terra pagarão pelos seus feitos. Para a Nação Brasileira o momento é de reconstrução democrática e os brasileiros devem exigir dos poderes constituídos a cassação de mandato daqueles que no Supremo Tribunal Federal prevaricam.

José Luiz Ferreira
contabilista e poeta. email: jlmirria@gmail.com – obs. Postado para os principais vendilhões da Pátria.

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL