Opinião

O FLAMENGO E A VIDA COMO ELA É

Campeão das Américas, brasileiro e carioca, jogando um futebol arrojado e quebrando recordes históricos, o Flamengo está encantando e devolvendo altivez ao futebol pentacampeão mundial, indo em busca do almejado título intercontinental nos próximos dias.
Na final da Copa Libertadores da América, jogando contra o algoz River Plate, time da Argentina, seleção reconhecida como a maior adversária do combinado canarinho, ainda assim, havia um número enorme de torcedores brasileiros contrários ao sucesso rubro-negro.
E isso nada mais é que um espelho da vida, uma pitada da essência humana resplandecida no esporte brasileiro.
Muitas vezes alcançamos objetivos, lutamos por obter êxito em projetos, trabalhos, metas profissionais e pessoais e, ainda assim, encontraremos “parceiros” torcendo contra nossas conquistas.
Até mesmo no âmbito familiar, seio da construção humana, haverá as inexplicáveis situações que envergonham a sensatez e a correição de caráter que deveriam nortear as ações de todos nós.
Mas de todas as lições, uma outra nos ruboriza ainda mais. Apesar da torcida contrária, da consternação alheia pelo sucesso, após o apito final, da vitória consagrada e irrefutável, impera a incapacidade de aceitar e a vontade explícita em diminuir o mérito obtido.
No futebol é algo até normal, pois já faz parte do cotidiano futebolista azucrinar os torcedores adversários, colegas que não aprenderam que o melhor time é sempre o “dele” e, em sua ausência, aquele que enfrenta o “seu”.
Mas, no cotidiano da vida real, essa situação demonstra que ainda temos muito que crescer e, ao invés de torcer pelo insucesso alheio, que aprendamos com aqueles que mostram como deve ser feito.
É o Flamengo nos mostrando a vida como ela é…

Gleison Begalli
Professor do Colégio São Mateus e Cursilhista
Presidente do Rotary Norte e Clube de Xadrez de Catanduva

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL