Opinião

MUITA COISA ACONTECE POR VONTADE DIVINA PARA DEUS NADA É IMPOSSIVEL

Estávamos nos Estados Unidos da América atendendo ao aperfeiçoamento dos nossos trabalhos, imposto pelo Departamento de Estradas e Rodagem do Estado de São Paulo (DER), quando recebemos um telegrama do Sr. Governador do Estado, determinando nossa volta imediata ao país.
Era outubro de 1968 e deveríamos nos candidatar ao cargo de Prefeito Municipal de Catanduva pela Arena 1, apoiado pelo ilustre Secretário de Turismo, sr. Orlando Gabriel Zancaner. Quatro foram os candidatos a eleição ao cargo majoritário, nós, o sr. Dr. Gerson Sodré, o sr. Ico Ceneviva, o sr. Angelo Mestriner. Apuradas as urnas, vencemos as eleições, nos tornando o primeiro Prefeito eleito nascido em Catanduva, mais precisamente, a rua Rio de Janeiro, nº59. Fomos, então, trabalhar junto ao gabinete do Secretário dos Transportes, sr. Firmino da Rocha, até nossa posse que se deu em 31 de janeiro de 1969, sob as Santas Bênçãos do Monsenhor Albino, também presente naquele ato.
Naquela época, nossa Câmara Municipal era constituída por vereadores que não recebiam salário algum da municipalidade, exercendo, portanto, suas funções públicas por puro patriotismo e elevado amor a terra em que nasceram. Inúmeros desses vereadores ajudaram bastante nossa gestão, dentre eles podemos destacar o Sr. Lúcio Cacciari, Carlos Machado, José Marcos Romeira, Gregório Rodrigues Gil, Eder Pedro Pelizzon e outros mais.
Quisemos nós, também, sermos um Prefeito Municipal gratuito para a municipalidade. Em vista disso, resolvemos optar por continuar a receber nosso pequeno salário de engenheiro do Departamento de Estradas e Rodagem (DER), não onerando, portanto, os cofres municipais que estavam, já, tão debilitados.
Não recebemos durante nossa gestão um único salário mensal pago pela municipalidade. Por termos cumprido nosso dever cívico de Prefeito Municipal e como único alcaide gratuito, até hoje, podemos dizer que tudo isso nos enche de puro orgulho e não nos cansamos de agradecer a Deus por não ter nos abandonado no exercício de tão difícil e desgastante função. Com o auxílio do atuante Secretário de Turismo do Estado de São Paulo, o sr. Orlando Zancaner, começamos a fazer as desapropriações para dar início às construções do Conjunto Esportivo e o Recinto de Exposições de Catanduva.
Em parceria com o Santo Padre Albino Alves da Cunha e Silva, procuramos ajudar em tudo que o Município podia para as criações das Escolas Superiores de Medicina e Educação Física em nossa cidade. Era Deputado Federal de Catanduva, o Sr. Dr. Armindo Mastrocola que muito nos ajudou na nossa gestão. Foi um grande e atuante homem público, e Catanduva e Região muito devem devido seu trabalho.
Precisávamos do aval do Ministério da Educação em Brasília. Pedimos então ao Deputado Federal, Dr. Armindo Mastrocola para que Sua Excia. agendasse uma audiência nossa com o Ministro da Educação, o Dr. Jarbas Passarinho. Passados alguns dias, recebemos do Dr. Armindo um comunicado nos afiançando que a audiência foi concedida e marcada a data e hora, conforme constava da comunicação.
Passados quase um mês após o combinado, tomamos o avião para a Capital do Brasil e, lá chegando, fomos até a residência do Dr. Armindo, que deveria nos acompanhar na referida audiência, nos comunicou dizendo que o Ministério da Educação havia desmarcado a audiência devido compromissos inadiáveis do Ministro Jarbas Passarinho. Foi um balde de agua fria que deixou o Dr. Armindo chocado e nós atordoados. Ficamos perplexos e muito chateados. Nos despedimos e falamos ao Dr. Armindo que em vista dessa situação, só nos restava pegar o avião de volta para casa. Antes, porém, achamos de bom alvitre passar pelo prédio do Ministério da Educação. Estávamos no saguão do prédio oficial, olhando os fatos dos antigos Ministros da Educação, quando fomos tocados, pelas costas, por uma mão amiga. Quando nós viramos, demos de cara com um velho colega de classe da Faculdade de Engenharia de Curitiba, que foi logo nos perguntando o que nós estávamos fazendo ali. Foi então que contamos para ele todo o nosso triste drama. Logo ele nos retrucou: “Então vamos resolver tudo isso já, que eu sou Chefe de Gabinete no Ministro Jarbas Passarinho. Vamos subir juntos até a sala.”
Daí alguns minutos, estávamos nós três confortavelmente em conversa informal e bastante amigável, quando pudemos expor, com clareza, todas as nossas reinvindicações. O Ministro nos recebeu com muita cordialidade e nos disse que era um prazer e uma honra para ele atender a todas as reinvindicações do povo de Catanduva.
Nós achamos que todo esse acontecimento tivesse desfecho tão auspicioso, porque o Santo Padre Albino intercedeu por nós. Somente lamentamos não termos feito mais para o progresso do nosso querido Município.

Engº João Righini
Ex-Prefeito

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL