Opinião

ARROZ COM FEIJÃO

Arroz com feijão é o nome típico do prato de todos os brasileiros, mas,   pode ser também sinônimo de coisas simples, básicas e usuais e, nesse caso,  recebe outras conotações, do tipo: –  “O time precisa voltar a jogar o arroz com feijão”,  ou ainda,  – “Sei fazer o básico, tipo arroz com o feijão”. Básico ou não,  a verdade é que só se dá o valor que esse prato merece quando fica-se algum tempo sem ele. É como a liberdade – só é valorizada quando se perde–. De acordo com a enciclopédia livre Vikipédia, “Essa receita não tem uma origem certa, mas a hipótese mais aceita é a de que seria fruto de uma combinação do arroz (de origem oriental) trazido pelos portugueses para o Brasil com o feijão, que já seria consumido no Brasil pelos ameríndios. Alguns autores apontam o Brasil como o primeiro país a cultivar esse cereal no continente americano. O arroz era o “milho d’água” (abati-uaupé) que os tupis, ainda muito antes de conhecerem os portugueses, já colhiam nos alagados próximos ao litoral. Outra versão afirma que esse prato foi a união do arroz com a feijoada, que tem origem africana ou portuguesa. O que se sabe é que  ao longo dos séculos esse prato foi se popularizando por todo o país, passando a ser uma parte quase que indispensável da refeição dos brasileiros. –” Na verdade, para a grande a maioria dos brasileiros, principalmente quando a fome aperta,  não existe comida melhor do que um bom prato de arroz com feijão, acompanhado de uma salada de tomate e alface e um bife.  Em Cuba, ainda segundo a Vikipédia,  denominam o arroz-com-feijão de “Moros y Cristianos” ou “Congo”, e na Costa Rica de “Gallo Pinto”, tradicionalmente acompanhado do molho Lizano. Curiosamente, nenhum país latino trouxe para a mesa o prato típico do colonizador. Assim,  o prato típico de Portugal é o cozido à portuguesa(e não a bacalhoada como se possa imaginar) e o da Espanha é a paella. Já os colonizados, além do nosso arroz com feijão, destaca-se o assado de tira, no Uruguai; a empanada, na Argentina; o pastel de choclo, no Chile; o ceviche, no Peru; a saltenha, na Bolívia; o sanduíche de chancho, no Equador e o pabellón criollo, na Venezuela, que voltará a mesa somente dos nossos vizinhos, somente depois que cair de “Maduro” o regime ditatorial e opressor do contestado, execrável  e repugnante governo atual. Outra curiosidade é que,  em quase todos os países sul americanos,  normalmente o arroz é substituído pelo purê de batata, ou papas, como essa guarnição é chamada e o abacate é servido como salada. Mas como hoje é domingo,  é também o dia de folga do arroz com feijão, não é mesmo? Então boa macarronada, ou se preferir bom churrasco.

José Carlos Buch
www.buchadvocacia.com.br
buch@buchadvocacia.com.br

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL

Sobre o autor

Redação O Regional