UTQ do Hospital Padre Albino, referência nacional, atendeu 224 pacientes em 2021 
De acordo com o diretor médico Luís Fernando Colla, o pequeno número de leitos reflete no número baixo de pacientes atendidos
FOTO: COMUNICAÇÃO/FPA - Foi solicitado ao governo estadual R$ 20 milhões para construção de novo prédio para a Unidade de Queimados, hoje no HPA
Por Da Reportagem Local | 18 de maio, 2022
 

Referência nacional para atendimentos SUS, a Unidade de Tratamento de Queimados/UTQ do Hospital Padre Albino, de acordo com o relatório anual de atividades de 2021 da Fundação Padre Albino, atendeu 224 pacientes naquele ano. Desse total, 185 foram pelo SUS.  

As faixas etárias com maior atendimento foram acima de 50 anos, seguida de 40 a 50 anos; de 30 a 40; de zero a um ano e de 20 a 30 anos, do sexo masculino.

Do sexo feminino o número maior também foi na faixa etária acima de 50 anos, seguida de 30 a 40 anos; zero a um ano; 20 a 30 anos e 40 a 50 anos. Do total, 197 pacientes foram atendidos e internados com grandes queimaduras, 28 pacientes externos atendidos na Unidade de cuidados especiais de queimado e realizados 63 enxertos. 

De acordo com o diretor médico dos hospitais da Fundação, Luís Fernando Colla, o pequeno número de leitos (13) reflete no número baixo de pacientes atendidos, assim como a alta permanência e a complexidade na evolução dos casos. De acordo com ele, ainda, cada leito atende, em média, dois pacientes ao mês somente. 

O presidente da Diretoria Executiva da Fundação, Reginaldo Donizeti Lopes, disse que a entidade tem consciência do gargalo na assistência dessa linha de cuidado a nível estadual e nacional devido à alta demanda e baixo número de leitos especializados existentes para tratamento. Ele ressaltou que a instituição nega por volta de 280 pedidos mensalmente à Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde (CROSS) do Estado por ausência de vagas. 

No entanto, diante da expertise que a Fundação Padre Albino detém na assistência desses pacientes, com equipes médicas e multiprofissionais qualificados e capacitados e com ótimos resultados no cenário nacional, Reginaldo informou que foi solicitado ao governo estadual R$ 20 milhões para construção de novo prédio para a Unidade de Queimados, em área de 2 mil metros quadrados no Hospital Emílio Carlos, valor estimado para construção civil e sistema de ar condicionado.   

“Com essa nova unidade especializada devemos aumentar em até 270% a capacidade de atendimento a pacientes críticos (Unidade de Terapia Intensiva) e 220% a pacientes não críticos (Enfermaria)”, disse Reginaldo Lopes, acrescentando que o projeto de arquitetura está sendo  de planejado dentro dos moldes definidos em legislações da Saúde e Vigilância Sanitária. 

A UNIDADE  

Com aparelhos de alta complexidade e equipe altamente qualificada, composta por médicos especialistas em cirurgia plástica e tratamento de queimados, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionista, psicóloga, técnicos e auxiliares de enfermagem, a Unidade de Tratamento de Queimados/UTQ do Hospital Padre Albino é referência nacional. Sendo assim, atende toda a região, além de cobrir grande parte do Noroeste do Estado de São Paulo e cidades de Estados vizinhos a essa região. 

Todos os pacientes queimados, encaminhados ao ‘Padre Albino’, passam pelo Pronto Atendimento da UTQ, que funciona 24 horas por dia. Após a avaliação diagnóstica, exames e indicadores de tratamento, se houver necessidade, ele é internado na UTQ. Os demais casos que precisam apenas de acompanhamento clínico, curativo e reabilitação são tratados ambulatorialmente. 

A UTQ orienta constantemente a população sobre os cuidados e principalmente a prevenção da queimadura. 

 

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional.

Por Myllayne Lima | 26 de junho de 2022
"Cotonete pode causar zumbido empurrando a cera até o tímpano", alerta otorrino
Por Da Reportagem Local | 25 de junho de 2022
Hospital São Domingos registra milésima alta de paciente curado da Covid
Por Da Reportagem Local | 25 de junho de 2022
Hospital realiza procedimento em mulher com síndrome pouco conhecida e transmite ao vivo