No Dia Mundial de Luta, médico explica como prevenir e tratar hepatites virais
Sintomas nem sempre são aparentes, mas podem se manifestar na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, vômitos, pele e olhos amarelados
Foto: DIVULGAÇÃO - Pedro Cartapatti frisa que é fundamental ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina
Por Da Reportagem Local | 28 de julho, 2022

Mais de 670 mil pessoas tiveram hepatite no Brasil em 2019, ano do levantamento do Ministério da Saúde. É, portanto, um problema de saúde pública e que ganha destaque nesta quinta-feira, 28 de julho, o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. “As pessoas precisam conhecer esta doença, seus sintomas e que ela pode ser diagnosticada. O mais importante, no entanto, é a prevenção e o controle da hepatite, que causou a morte de quase 1 milhão e meio de pessoas no mundo”, ressalta Pedro Cartapatti da Silva, médico cirurgião do Austa Hospital.  

A hepatite é uma inflamação do fígado, que pode ser provocada por vírus, remédios, drogas, álcool, doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E.  

Segundo o profissional, os sintomas nem sempre são aparentes, mas podem se manifestar na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.  

“Várias medidas podem evitar a transmissão das hepatites virais, como higienizar os alimentos que serão consumidos crus e cozinhar bem os demais; lavar as mãos com frequência; usar materiais descartáveis para fazer tatuagens ou colocação de piercings; não compartilhar objetos de uso pessoal, como lâminas, escovas de dente, utensílios de manicure e pedicure; utilizar preservativos durante as relações sexuais, dentre outras”, relaciona Cartapatti.  

Diagnosticar a hepatite precocemente é a melhor forma de obter maiores chances de eficácia com o tratamento. “É fundamental ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina”, destaca o cirurgião.  

As hepatites mais comuns são as denominadas hepatites A, B e C e seu diagnóstico é possível graças ao apoio de exames laboratoriais, como os feitos, por exemplo, no Austa Medicina Diagnóstica (AMD), de Rio Preto. “Dispomos de tecnologia para realizar os exames laboratoriais para auxílio diagnóstico das hepatites e apoiar a equipe médica e população na elucidação da doença”, afirma Vinicius Coelho, gerente do Austa Medicina Diagnóstica (AMD).  

A hepatite A é transmitida através da água e alimentos contaminados. Já os tipos B e C, em geral, são através do sangue, podendo ser também por relação sexual. As vacinas contra as hepatites A e B são a principal medida de prevenção. Para a hepatite C existem os antivirais, sendo alguns disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), por sua vez, também é considerada uma doença sexualmente transmissível. 

 

Autor

Da Reportagem Local
Redação de O Regional

Por Da Reportagem Local | 14 de julho de 2024
Saúde orienta pais a aproveitarem férias para atualizar caderneta
Por Guilherme Gandini | 11 de julho de 2024
Cobertura vacinal contra gripe chega a 35% entre grupos prioritários
Por Da Reportagem Local | 11 de julho de 2024
Campanha de vacinação contra gripe termina no próximo domingo