Esportes

Três Cidades da Região Estão na Disputa dos Jogos Escolares do Estado

Assine O Regional Online

Três cidades da região estão na disputa dos Jogos Escolares do Estado de São Paulo. Alunos com deficiência de Ariranha, Santa Adélia e Novo Horizonte encaram a competição. Os jogos são considerados requisitos básicos para aqueles que pretendem participar das Paralimpíadas Escolares deste ano. No total, são 350 competidores em 11 modalidades. O evento é realizado pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência em parceria com as secretarias da Educação, de Esporte, Lazer e Juventude, Desenvolvimento Econômico e Ciência e Tecnologia.
A abertura dos jogos começa nesta quarta-feira (20) a partir das 9 horas no Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro. A competição segue até sexta-feira (22). No noroeste paulista são 42 alunos com deficiência que participarão do evento. Da competição, serão selecionados 159 atletas que farão parte da delegação paulista nas Paralimpíadas Escolares que acontecerão entre 20 e 25 de novembro.

Os competidores da região estão em modalidades como atletismo, natação, bocha, futebol de 5, futebol de 7, goalbol, judô, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, vôlei sentado e basquetebol em cadeira de rodas.
A ideia dos Jogos Escolares é além de descobrir novos talentos para o esporte, promover a integração e o intercâmbio dos alunos para assim aplicar as oportunidades de socialização e aquisição de hábitos saudáveis. Participam dos jogos, jovens que tem deficiência física, visual ou intelectual, com faixa etária entre 12 e 17 anos. Eles devem estar matriculados em escolas do ensino fundamental e médio de escolas públicas e particulares.
Já as Paralimpíadas Escolares tem o objetivo de levar possíveis atletas para representarem o nosso país nas Paralimpíadas de 2020 em Tóquio.
A secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella, aponta que os Jogos Escolares do Estado de São Paulo vão deixar um legado importante e difundir o conhecimento necessário para a prática paradesportiva no ambiente escolar.

Cíntia Souza
Da reportagem local