Esportes

Bax/Catanduva perde em jogo contra SESI/Araraquara e se despede do Campeonato Paulista

O time de basquete Tietê Agroindustrial/Bax Catanduva não conseguiu superar o SESI/Araraquara e se despediu do Campeonato Paulista Feminino de Basquete da Divisão Especial, na noite do último sábado, 30 de Novembro, no Ginásio Anuar Pachá, ao perder a segunda partida do playoff por 62 a 57.
Nessa fase, as equipes se enfrentavam em uma disputa de três jogos. O time que alcançasse duas vitórias estava classificado para a semifinal do campeonato. Catanduva perdeu a primeira partida na quarta-feira, 27 de Novembro, e precisava vencer no sábado para empatar o placar e forçar o terceiro encontro. Embora tenha começado num ritmo intenso, as atletas catanduvenses não conseguiram segurar o time de Araraquara, que abriu 20 pontos de vantagem no final do primeiro tempo da partida.
Após o intervalo, as comandadas do time de Cesamar Fernandes de Miranda voltaram com a missão de virar o placar e conseguiram diminuir a diferença. A defesa funcionou bem, não deixando as adversárias pontuarem. De acordo com o técnico, o emocional atrapalhou um pouco na hora de definir as jogadas.
“As meninas começaram bem, mas quando você toma cestas do adversário e erra dois ou três ataques fáceis, cai a concentração, esfria. Foi então que Araraquara cresceu e abriu 20 pontos”, explicou.
Ele salienta que a equipe correu atrás e tirou 17 pontos de vantagem, chegando a ficar dois pontos atrás no placar, o que gera um forte desgaste das atletas. “As meninas terminaram de parabéns pelo esforço. Não desanimaram em momento algum. Mas, infelizmente, falhamos de novo. Lá em Araraquara, nós nos perdemos no terceiro quarto; e aqui, no segundo quarto”, destacou.
Cesamar diz, ainda, que Catanduva perdeu a chance de converter, pelo menos, dez cestas, que poderiam ter feito a diferença no placar final. “É aquele negócio do ‘se’. Mas já passou e não adianta pensar no que poderia ter acontecido. Vejo um crescimento. Hoje, jogamos de igual para igual contra equipes que têm uma estrutura muito boa, uma condição melhor. Estamos engatinhando”, contou.
A armadora e também dirigente do time Natália Burian acredita que Catanduva está reconquistando o respeito, mostrando que não é fácil ganhar no Ginásio Anuar Pachá. “Começamos com um ‘patinho feito’ e mostramos que podemos dar muito trabalho. Estamos reconquistando o respeito que havíamos perdido”, analisou.
Ainda no primeiro tempo da partida, a jogadora se lesionou. Mesmo assim, jogou no sacrifício para defender as cores de Catanduva. “Nunca tinha me machucado, mas não tinha no que pensar. Era o último jogo para tentar levar para o terceiro. Foi no sacrifício, no coração e na garra”, disse.
Quem também avaliou a participação no campeonato foi a jogadora Thaíssa. Ela concorda que o principal erro foi ter deixado Araraquara abrir a vantagem de 20 pontos. “Às vezes, o placar não mostra o que foi o jogo. Conseguimos tirar a diferença. Até os últimos segundos, eu acreditava que poderíamos virar o placar”, comentou.
Ela conta que a evolução da equipe em um ano foi extraordinária. “Joguei o Paulista aqui, ano passado, e vejo um crescimento muito grande. Se houver a continuidade no trabalho, haverá muitos frutos a serem colhidos”, finalizou.

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local