Cultura

Mary Castilho é Convidada Para Sarau das Mulheres Poetas

Mary Castilho faz parte do seleto número de convidadas do Sarau das Mulheres Poetas (Divulgação)
Assine O Regional Online

Mary Castilho faz parte do seleto número de convidadas do Sarau das Mulheres Poetas em São Paulo. No total, serão 16 referências, no universo cultural, que devem integrar o evento. A poetisa nasceu em Elisiário, estudou em Catanduva e atualmente vive na capital.
O Sarau acontecerá neste sábado (25) a partir das 16 horas no auditório do Centro de Integridade do Iamspe em São Paulo, que fica localizado na avenida Ibirapuera, nº 1215, no 3º andar. O local é o mais novo espaço cultural da capital que está sob o comando do poeta e crítico Frederico Barbosa, que foi diretor criativo da Poiesis e da Casa das Rosas.
Mary é professora e pós-graduada em língua portuguesa e literatura. Por anos, ela exerceu o magistério no ensino médio e também em faculdades. Desde 1981 a poetisa vive em São Paulo. Foi em 2005 que publicou o primeiro livro que recebeu o título de “Cântico dos Destorcidos”. A obra teve a apresentação dos poetas Álvaro Alves de Faria e Mariana Ianelli. O segundo livro dela foi publicado dez anos mais tarde. “As Mãos e o Sal” é outro título que reúne poemas.
Na época ela cedeu entrevista ao O Regional e falava que a obra era uma necessidade do poema existir. “Quem escreve precisa sempre de um leitor, sem o qual o texto não faz sentido”, disse.
As palavras são quem procuram a poetisa em cada obra. “Elas chegam de repente, quando estou sozinha, caminhando pela calçada ou conversando com alguém. Elas interrompem meus pensamentos, ao mesmo tempo que insistem em me surpreender.
Neste momento preciso anotá-las para não esquecê-las e para isso tenho sempre um caderninho comigo”, explica.
“Depois, no meu computador, coloco uma música, digito as palavras, agora como versos, e as estrofes começam a crescer. Sempre escrevo com fundo musical. Às vezes, os primeiros versos ficam guardados no computador, sem se desenvolverem, até que um dia qualquer, ao abri-lo, eles mostram a vontade de continuar. Nesta eu me dôo inteiramente a eles, buscando as imagens que se configuram através das palavras”, complementava na época.

Cíntia Souza
Da Reportagem Local