Cultura

Depoimentos Sobre a Vida, a Arte e o Papel do Artista Está Disponível em 20 Episódios

“INDO - O que Fizemos que Estamos” retrata a vida dos artistas da região (Renato Siqueira)
Assine O Regional Online

Depoimentos sobre a vida, a arte e o papel do artista está disponível em 20 episódios pelo canal ‘Café Insônia’, no youTube. A obra Web Série “INDO – O que Fizemos que Estamos” foi concebida por Jef Telles, videasta de São José do Rio Preto e tem como objetivo enaltecer a história de 60 artistas.
No roteiro da obra será possível conhecer um pouco do que pensam artistas, gestores e entusiastas da arte que moram na cidade vizinha e protagonizam suas histórias e conflitos familiares surgidos a partir da escolha da profissão, a competitividade na classe artística e a influência da tecnologia nas artes.
“INDO – O que Fizemos que Estamos é um projeto documental que pretende, além de ser uma vitrine de artistas e entusiastas, construir reflexões acerca da arte que fazemos, outrora, que fizemos. Também busca registrar, por meio do audiovisual, um fragmento da época em que vivemos”, informa Telles, que é videasta, roteirista, ator e diretor teatral.
A série também pode ser conferida pela rede social Facebook (www.facebook.com/cafeinsonia3).
“A obra é exibida em vídeos entre três e cinco minutos, em formato Full HD, organizados em 18 capítulos. São publicados dois episódios por semana, às terças e quintas-feiras, até dezembro.
Entre os artistas que participam do vídeo, estão Beta Cunha (atriz), Fagner Rodrigues (diretor teatral), Jorge Vermelho (ator e diretor teatral), juny kp! (artista visual), Kléber Félix (escritor), Ubirathan do Brasil (poeta), e outros. Além de Henrique Sezara, Isabella Matos que fizeram as entrevistas e eu”, diz Telles.

COMO SURGIU
No final de 2016, Jef Telles realizou um evento chamado “Teatrópolis”, no Sesc Rio Preto, envolvendo cerca de 40 artistas locais.
A proposta consistiu em fazer um recorte de cenas de peças teatrais de São José do Rio Preto, culminando em um único espetáculo, de caráter performativo e audiovisual”, ressalta.

Karla Sibro
Da Reportagem Local