Cidades

Vendas De Remédios Controlados Crescem Em Três Anos

Pharmaceutical medicament, cure in container for health. Antibiotic, painkiller closeup. Medicine pills or capsules over black color background.

Os brasileiros compraram em 2018, mais de 56,6 milhões de caixas de medicamentos para ansiedade e para dormir — aproximadamente 6.471 caixas vendidas por hora ou 1,4 bilhão de comprimidos em um ano, os números são do SNGPC (Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados).
Em pesquisa por farmácias de Catanduva, os remédios que mais saem ainda são os analgésicos e antibióticos, mas houve um aumento significativo de três anos para cá nas vendas de remédios controlados e prescritos por médicos para pessoas que sofrem com depressão ou doença similar.
Segundo um vendedor de uma rede de farmácias de Catanduva, os remédios desse tipo de doença tem atraído até mesmo quem tem insônia ou ansiedade, remédios que controlam a pressão por síndrome do pânico.
Os antidepressivos são medicamentos indicados para tratar a depressão e outros transtornos psicológicos e exercem a sua ação no sistema nervoso central, apresentando diferentes mecanismos de ação.
Estes remédios estão indicados para depressão moderada ou grave, quando se manifestam sintomas como tristeza, angústia, alterações do sono e do apetite, cansaço e sensação de culpa, que interferem no bem-estar da pessoa.
Infelizmente, o Brasil tem números alarmantes de indivíduos que possuem a doença, além de transtornos de ansiedade.
Os números em relação à ansiedade também não são nada animadores: 9,3% dos brasileiros (cerca de 19,4 milhões) sofrem com o problema e faz com que o Brasil ocupe o primeiro lugar da lista de países mais ansiosos do mundo.
O suicídio é a terceira principal causa externa de mortes no país, com 12,5 mil caos em 2017, de acordo com o Mi­nistério da Saúde. Dados da OMS (Organização Mun­dial da Saúde) mostram que 5,8% dos brasileiros sofrem de depressão. Essa é a maior taxa da América Latina e a segun­­­­da maior das Américas, estan­­­­­do atrás apenas dos Estados ­Unidos.

Ariane Pio
Da Reportagem Local