Início - Setembro Amarelo: Psicóloga Fala Sobre Prevenção ao Suicídio
Cidades

Setembro Amarelo: Psicóloga Fala Sobre Prevenção ao Suicídio

Um problema de saúde pública que tem aumentado o número de vítimas e ainda vive como uma espécie de tabu na sociedade é o suicídio. Em média são 32 brasileiros mortos por dia. Como esse assunto geralmente é evitado por medo ou desconhecimento, a falta de informações pode deixar de ser munição para ajudar alguma pessoa próxima. Pensando nisso, o mês de setembro foi escolhido para divulgação desse tema, uma vez que falar é a melhor solução. No Brasil, a campanha de conscientização “Setembro Amarelo” ocorre desde 2015, sendo marcada como iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).
Em entrevista ao O Regional, a psicóloga Roberta D’Avanzo Sant’Ana explicou sobre a importância de discutir sobre a prevenção ao suicídio. “Quem se mata, na realidade tenta se livrar da dor, do sofrimento, que de tão imenso, parece insuportável, quanto mais falarmos sobre, disseminar a importância da saúde metal, a importância da procura de profissionais, Psicólogos por exemplo, apresentarmos programas, serviços públicos disponíveis em todo o Brasil, como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), Unidades Básicas de Saúde e serviços de emergência (SAMU 192, UPA 24H, Pronto-socorros e hospitais), campanhas de prevenção, poderemos diminuir o quadro de suicídio. Por anos, falar de suicídio foi algo tão evitado, um tabu. O assunto era frequentemente confinado ao silêncio da perplexidade ou ao sensacionalismo da busca por “culpados”. Hoje tratamos do assunto, um pouco, mais abertamente em função de levar informação, apoio e acolhimento,” explicou.
A psicóloga ainda falou sobre os sinais e sintomas comuns em pessoas que pensam em cometer suicídio. “É fato que o suicídio é um fenômeno complexo, de múltiplas determinações, mas saber reconhecer os sinais de alerta pode ser o primeiro e mais importante passo. Isolamento, mudanças marcantes de hábitos, perda de interesse por atividades de que gostava, descuido com aparência, piora do desempenho na escola ou no trabalho, alterações no sono e no apetite, frases como “preferia estar morto” ou “quero desaparecer” podem indicar necessidade de ajuda. Pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope): Depressão, suicídio e tabu no Brasil – um novo olhar sobre a saúde mental, aponta que a depressão e suicídio é a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos de idade no Brasil. Contudo, dados da OMS afirmam que apenas 37% dos depressivos graves recebem algum tipo de tratamento no Brasil. Vale ressaltar que a depressão é uma doença tratável e o suicídio é evitável em grande parte dos casos”, destacou Roberta. Por fim, a psicóloga falou sobre a importância do Setembro Amarelo. “O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. É neste mês que ações em diferentes esferas sociais buscam promover a saúde mental e dar destaque a centros que oferecem ajuda a quem precisa”, finalizou.

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local