Cidades

Segurança e Conforto: A Chegada Das Portarias Remotas

A segurança é um dos pilares que fazem com que uma família, ao buscar por uma nova casa ou apartamento, decidam onde querem se instalar. A preocupação com o conforto tem sido constante até com quem vive no interior, nos distanciando cada vez mais da época em que moradores de cidades pequenas podiam deixar suas janelas e portas abertas sem se preocupar com possíveis crimes. Com índices de furtos e roubos constantemente altos em Catanduva, a população tem buscado novas tecnologias para manter seu lar protegido. Para isso, investimentos surgem a cada dia, sendo um deles, a portaria remota.

Como funciona
Portaria remota (ou virtual) trata-se de um sistema para controle de acessos que é instalado na portaria do prédio. Após a instalação, os moradores entram no condomínio/prédio através de um leitor biométrico ou tags, sem que haja a necessidade de haver um porteiro no local. Já no caso de visitas, o contato é via interfone, só sendo liberado com o condômino estando em casa para efetivar o destrave da porta.
Com essa nova tecnologia, o condomínio deixa de contar com profissionais na portaria. Através de uma central de monitoramento, é possível acompanhar tudo que acontece no local, havendo a presença de câmeras, sensores e controles de portões via internet. Os moradores podem, ainda, se comunicar com a central através do interfone, bem como por um app no celular. É possível, ainda, que quem vive no local possa avisar à central sobre a chegada de visitantes de forma antecipada, além de poder cadastrar prestadores de serviços. A portaria remota oferece esse serviço 24 horas por dia.
Ela possui, ainda, um sistema de armazenamento de dados de áudios e vídeo que podem ser usados para averiguação futura.

Portaria remota
gera demissões?
Contudo, diferente do que se pode imaginar, uma consequência da utilização da portaria remota não é a demissão do funcionário, e sim sua proteção. Quem explica melhor é o diretor da Thomé – Vigilância e Portaria, Pablo Cristovan: “é uma tecnologia nova da qual tiramos o porteiro da área de risco, da portaria, e colocamos em uma sede com conforto e ar condicionado, para que ele possa controlar o acesso dos moradores e visitantes de forma remota, à distância. Na verdade, há sindicatos e órgãos que acham que a portaria remota é justificativa para demissão de colaboradores, e não é. A portaria necessita do material humano, e trazemos o conforto e o baixo risco de tirar ele do local de confronto para colocarmos em um local seguro, com conforto, para ele controlar o acesso de moradores à distância. Hoje, não só nós como todas as outras empresas que trabalham com esse tipo de serviço, temos uma notificação da Promotoria do Trabalho de Rio Preto dizendo que a gente não pode substituir o trabalhador por algum aparato tecnológico. O equipamento não funciona de forma automática, tem que ter uma pessoa manejando de forma remota. Ou seja, não há demissão, pois não é possível e não queremos. Nosso intuito é gerar emprego, não demitir”.

Da Reportagem Local