Início - SEGUNDA EPÍSTOLA AO CANDIDATO PADRE OSVALDO

SEGUNDA EPÍSTOLA AO CANDIDATO PADRE OSVALDO

Eu afirmei que voltaria a puxar o seu tapete e se depender da minha modesta sapiência, você não adentrará o paço municipal como um santo prefeito. Para melhor compreensão, separemos a Igreja em duas partes: a parte boa e a parte má. Você, como padre cristão, é merecedor de todo respeito e reconhecimento pelo bem que faz aos semelhantes. Igualmente os demais padres, adjuntos e fiéis que buscam na fé e no conhecimento a compreensão da vida e do semelhante. Este articulista como ex-católico que, de há muito, é cristão reencarnacionista, nada tenho contra a fé católica, aliás reconheço em todas as religiões uma necessidade, uma obrigação, um caminho para o progresso e evolução da alma. Tivemos no papa João Paulo II um excelente representante do bem comum. Ele foi encaminhado pela espiritualidade para dignificar a Igreja e tentar coibir a atuação de cardeais, bispos e padres que subvertem e conspurcam a doutrina da Igreja. Um exemplo gritante é a pedofilia ainda existente no seio da própria hierarquia. Outra parte podre da Igreja é a ala comunista cujo ativismo de padres e bispos assustam. No dia 27.07.2020 a mídia trouxe a lume um manifesto intitulado “Carta ao Povo de Deus.” Esse documento é assinado pela ala progressista da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil” (CNBB) e reúne 152 bispos, arcebispos e bispos eméritos que se opõem ao governo Jair Bolsonaro. Dizem da incapacidade e inabilidade do governo federal em enfrentar a pandemia do corona vírus quando se esquecem que o STF delegou a governadores e prefeitos a responsabilidade. Falam de discursos anticientíficos, flagelo de milhares de mortes, conchavos políticos para manutenção do poder a qualquer preço. Dizem que o discurso do governo não se baseia nos princípios éticos e morais e não suporta ser confrontado com a tradição e a doutrina social da igreja. Dizem ainda que os reclamos não se restringem à CNBB e se espalham por paróquias e igrejas pelo país e que padres reclamam que estão sofrendo perseguição política. Falam da crise na saúde, colapso na economia, na educação, meio ambiente e que a tensão se abate sobre os fundamentos da República, provocada em grande parte pelo Presidente da República. Faz parte do contexto a imprescindível peroração: evangelizar é missão da igreja, herdada de Jesus e que estão em profunda comunhão com o papa Francisco. (?). A proposta é o reino de Deus e que não tem interesse político-partidários. A carta é assinada pelos comunistas Cláudio Hummes (arcebispo SP), pelos bispos Angélico S. Bernardino (Blumenau), Edson T. Damian (AM), Alberto T. Correa (PA), Erwin Krautler (PA), Joaquim G. Mol (MG) e Leonardi Ulrich (AM). Confesso aos meus leitores que soube dessa carta assistindo Terrabrazilis News de Paulo Alves, brasileiro residente nos Estados Unidos. Fiquei tão revoltado quanto ele que é, afirmou, católico. Aliás, me deu azia, nojo. Temos um presidente que não rouba e não deixa roubar; a antiga ladroeira petista, peessedebista e outros istas acabou. Agora todos contra o presidente: ONU, OMS, Igreja ou CNBB, STF, Câmara, Senado, OAB, TV Bandeirantes, CNN e a maldosa Rede Globo com o seu decadente império de revistas e jornais. No Estadão pululam jornalistas vendilhões da Pátria. Afirmo que já estamos bem amadurecidos para compreender e superar essas barreiras religiosas, pois elas existem aqui em baixo, entre nós; na espiritualidade, nas leis de Deus e nas recomendações de Jesus não há separação. Essa historia de povo de Deus precisa sair das premissas religiosas. Então padre Osvaldo, diante de 152 aloprados, comunistas e simpatizantes da Nova Ordem Mundial que se escondem na religião para materializar suas fraquezas cívicas e morais, como você acha que eu me sinto? Eu não tenho a inocência e o comodismo de muitos e sou de opinião que os católicos esclarecidos, a bem de uma igreja verdadeiramente cristã, devem refletir, pois, o momento PLANETÁRIO é muito grave. Tenho inúmeros defeitos e razoáveis conhecimentos, o suficiente para te afirmar: como padre você tem um amigo e admirador; como político, um inimigo e tendo a convicção de que sairá derrotado, e, por estarmos em plena Transição Planetária (separação do joio do trigo), principalmente a classe política, com raras exceções, não merece credibilidade; tão só por isso eu não sei relevar: você continuará sendo um inimigo.

José Luiz Ferreira
contabilista e poeta. Email: jlmirria@gmail.com – Procontabil Assessoria
Empresarial Ltda.

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL