Cidades

Secretaria Da Saúde Alerta Para Vacinação Devido A Risco De Sarampo

A Secretaria Municipal de Saúde emitiu um alerta para toda a população catanduvense no que diz respeito à importância da vacinação contra o sarampo. A doença tem se disseminado rapidamente pelo Estado, que já contabiliza 51 confirmações da doença, apesar de não haver óbitos. Hoje, a vacina é a única forma de prevenção.
Em Catanduva, não há ocorrências positivas do vírus. Entretanto, de acordo com dados informados pela vigilância epidemiológica, a cobertura vacinal no município é de 42,2% para bebês de 1 ano e 33,26% para bebês de 1 ano e 3 meses, o que é considerada bem abaixo do preconizado pelo Ministério da Saúde, de 95%.
As unidades de saúde programam, após a volta às aulas, em agosto, atividades de busca nas escolas por crianças que precisam ser imunizadas. A Unimed de Catanduva, também, já alertou a respeito da importância da vacinação: “O sarampo é uma doença imunoprevenível, ou seja, controlado somente com vacina, por isso a importância das campanhas. O sarampo pode complicar e desenvolver os sintomas da pneumonia. Por isso, o cuidado deve ser redobrado. A forma mais eficaz de prevenção é a vacinação”.
Através do calendário de imunizações, dos 12 meses de vida aos 29 anos, é preciso receber duas doses da vacina, com intervalo de 30 dias. Aos profissionais de saúde envolvidos, também são recomendadas duas doses, independente da faixa etária. Quem já as tomou, está vacinada e não precisa tomar novamente.
Já quem tem 30 anos, ou é nascida a partir de 1960, a recomendação é que seja aplicada apenas uma dose da vacina. Se a pessoa já tem uma dose registrada em caderneta, é considerada vacinada e, por isso, não precisa tomar novamente. Em Catanduva, a vacina está disponível nas unidades de saúde, com exceção da UBS do Salles. O atendimento vai das 7h00 às 17h00.
Campanha no Estado
A cidade de São Paulo começou uma campanha contra o sarampo no dia 10 de junho. O Ministério da Saúde havia divulgado que a campanha seria nacional, mas dois dias antes, afirmou que ela se restringirá a São Paulo. Ela foi até alguns dias atrás, 12 de julho.
Segundo a Secretaria de Estado de São Paulo, a medida foi definida entre o Ministério da Saúde e a Prefeitura de São Paulo ao considerarem que a capital é “um grande ponto de chegada e saída de viajantes de todo o mundo”.
Neste ano, foram registrados 51 casos de sarampo no Estado de São Paulo, contra apenas 3 no ano passado. A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba e está disponível durante o ano todo nos postos de saúde.

Da Reportagem Local