Cidades

Orientações, Exames, Corte de Cabelo e Debates Levam Centenas de Pessoas à Matriz

Campanha terminou com atividades na Praça da Matriz (O Regional)

Orientações sobre o Câncer de Mama, exames gratuitos, corte de cabelo para doação e debate entre mulheres levaram centenas de pessoas à Matriz na manhã de ontem (27). A ação marcou o encerramento da Campanha Outubro Rosa 2018, que foi realizada ao longo do mês em diversos locais da cidade e que teve como objetivo conscientizar a população sobre a importância do autoexame e do diagnóstico precoce do câncer.

Nossa reportagem esteve no local. A estrutura montada chamou a atenção de quem passava pela praça.  “Aproveitei para fazer exames de glicemia. Acho essencial esse tipo de ação na cidade, pois todos sabem que cuidar da saúde é importante, mas às vezes com a correria do dia a dia, não temos tempo”, disse Silvana Dias.

“Já faz um tempo que quero doar meu cabelo, mas estava em dúvida. Depois que conversei com o pessoal, decidi cortar, pois além de mudar o visual estarei ajudando na confecção de perucas para mulheres que perderam o cabelo no tratamento. Um ato de solidariedade muda a nossa vida”, confessou Maria Santos.

A realização das atividades ao longo de Outubro ficou por conta da Associação Sempre Viva, uma Organização formada por mulheres vítimas ou não do câncer e que desenvolvem trabalhos com mulheres que passam pela doença. O maior objetivo da Sempre Viva é devolver a autoestima a esse público. Neste ano, a Campanha contou com a parceria Prefeitura de Catanduva, Fundação Padre Albino e Hospital Mahatma Gandhi.

As voluntárias da Associação falaram sobre a realização do Outubro Rosa no município. ”Todo ano nós realizamos ações diferentes. Esse ano, especialmente, nós contamos com grandes parcerias que foram imprescindíveis para que nós realizássemos toda a programação. O intuito é sempre o mesmo: levar a informação como forma de prevenção”, disse Marlene Capristo.

“Hoje, nós temos a liberdade de falar abertamente sobre o Câncer. Isso é importante, mas a população poderia aproveitar mais todas as atividades, ter participado mais ativamente das palestras. Geralmente as pessoas que mais frequentam são aquelas que enfrentam a doença, ou que possuem algum familiar que já foi vítima. Há muito ainda o que ser levado e divulgado para a população”, comenta Guiomar Pagiossi.

Mas não somente durante a Campanha, ações de solidariedade e amor ao próximo despertam gratidão naqueles que praticam. É o exemplo de Victoria Santos, aluna de Enfermagem da Unifipa que realiza o projeto ‘Dança da Vida’ na Associação.

“Toda quarta-feira nós estamos na Sede da Sempre Viva com esse projeto que é voltado para pacientes oncológicas. A dança tem finalidades terapêuticas, envolve expressão corporal e aumenta a flexibilidade do corpo. Nosso objetivo é contribuir para a melhora dos aspectos físicos, psíquicos, na socialização e troca de experiências durante as atividades”, esclarece a aluna. “De uma maneira ou de outra, é uma satisfação imensa ver que seu trabalho é capaz de despertar a alegria de uma pessoa”, ressalta.

Da Reportagem Local