Início - O judô no espaço escolar

O judô no espaço escolar

O judô foi criado pelo professor Jigoro Kano, homem de baixa estatura e com grande desvantagem física. Kano sensei (professor em japonês) iniciou seus estudos e desenvolvimento das técnicas a partir de seu conhecimento adquirido com a prática do antigo Ju-Jutsu. Seu maior objetivo era minimizar o impacto das técnicas mais perigosas e evidenciar a eficácia dos movimentos com o mínimo esforço – judô ou caminho suave (tradução da palavra judô).
Apesar da preocupação com o desenvolvimento da mente e corpo em situações de combate, sensei Kano implantou em sua rotina de ensinamentos o código moral do judô, envolvendo algumas qualidades que seriam exigidas no dia a dia de cada praticante da modalidade: respeito, honestidade, autocontrole, amizade, cortesia, honra, coragem e modéstia.
Dessa maneira, valorizam-se as qualidades elencadas no código moral do judô pelo ser humano, o raciocínio e a coordenação motora. É uma modalidade que busca o equilíbrio global do ser humano (sempre em busca da evolução individual e coletiva). Uma de suas máximas é o Jita Kyoei (prosperidade e benefícios mútuos).
As atividades aplicadas devem iniciar livres de qualquer cobrança e resultado. O mais importante é o contato inicial com a modalidade. Os equipamentos, vestuários e recursos indispensáveis à prática do judô competitivo podem ser adaptados para as aulas na escola.
O tatame (piso para o judô) e o judogui (vestimenta específica) inicialmente podem ser substituídos por outros recursos alternativos, como por exemplo colchonetes e roupas velhas e mais grossas.
O judô é uma modalidade que desenvolve habilidades motoras específicas e globais, sempre em busca da vitória sobre si e nunca sobre seu oponente, pois como o próprio Jigoro Kano diz “Nunca te orgulhes de haver vencido a um adversário, ao que venceste hoje poderá derrotar-te amanhã. A única vitória que perdura é a que se conquista sobre a própria ignorância”.
Os conteúdos propostos para a prática do judô na Educação Física escolar devem proporcionar aos alunos judocas uma reflexão sobre a prática corporal numa perspectiva crítica da realidade atual e local.

Eduardo Emilio Lang
Marés da Costa
professor dos cursos de Licenciatura e de Bacharelado em Educação Física do
Centro Universitário Internacional Uninter

*ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL

%d blogueiros gostam disto: