Cidades

Número de Ligações de Água Aumenta 26,46% e Média de Consumo é Mantida

POPULAÇÃO tem feito uso racional e consciente em relação ao consumo de água (O Regional)

Número de ligações de água aumentou 26,46% e mesmo com um maior número de acesso a água encanada, a média de consumo foi mantida. A informação é da Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva (SAEC) e os dados correspondem aos últimos oito anos na cidade. O setor acredita que a campanha de conscientização do uso racional de água é a responsável pela manutenção dos índices percentuais.

Para se ter uma ideia, em 2009, a média de consumo ao mês era de 18,74 m³ e, em 2016, a média caiu par 17,64%.

O número de ligação era de 39.369, em 2009 e, em 2016, o número de ligação passou para 49.786, ou seja, 10.417 novas ligações surgiram nesse período.

Conforme informações da SAEC além da campanha de conscientização do uso racional de água, a economia também pode estar atrelada a crise financeira.

“A manutenção no consumo acredita-se seja devido às campanhas de conscientização para o uso racional de água, desenvolvidas pela SAEC e, em parte, pela própria iniciativa do contribuinte em economizar em razão dos problemas financeiros pelos quais passam a maioria do povo brasileiro”, informa o setor.

O superintendente da SAEC, engenheiro Marcos Jardim, avalia de maneira positiva a situação vivenciada em Catanduva.

“Em geral, a população tem contribuído para o consumo cada vez mais racional e consciente, provavelmente pela grande divulgação da imprensa em função da grave crise hídrica verificada na capital do estado. Como é sabido, a Companhia Estadual de Abastecimento de Água teve de promover descontos nas contas para obter uma redução de consumo e atravessar o período de seca com menos problemas de abastecimento, sem grandes necessidades dos indesejáveis rodízios no abastecimento, que ocorreram de forma localizada, espalhados pela grande São Paulo”, avalia Jardim.

O superintendente avalia ainda que os catanduvenses estão mais conscientes e os abusos do passado estão banidos da atual realidade devido a maior rigidez na medição.

“Quando havia muito desperdício em função da micro medição inadequada e dos baixos custos que eram praticados pela municipalidade. Atualmente, os medidores de consumo são substituídos com frequência da ordem de cinco a sete anos, melhorando a micro medição e promovendo maior justiça na cobrança das contas mensais de água e esgoto. Em grande parte, isso tem a ver com a mudança de hábitos e a educação ambiental, sendo difícil se observar atualmente lavagens de carros e das frentes das residências com os usuários utilizando água como se fosse vassoura”, ressalta o superintendente.

Em tempos de crise hídrica em várias regiões do país, a cidade também não sofreu, pois o serviço em Catanduva conta com 100% de sua produção de água proveniente de poços profundos. “E com condições atuais de produzir mais água que a quantidade consumida pela população, permitindo a paralisação dos bombeamentos por um razoável período diário, favorecendo a recuperação dos níveis dos lençóis subterrâneos. Apesar disto, a SAEC manteve o seu papel social, salientando através de campanhas educativas, a importância do uso racional da água”, conclui o superintendente.

Karla Sibro
Da Reportagem Local