Moradores De Rua Recebem Auxílio Emergencial Mas Recusam Isolamento

Prefeitura de Catanduva

De acordo com acompanhamento, a maioria dos moradores em situação de rua que vive em Catanduva e é cadastrada em programas sociais, por se enquadrar no quesito de alta vulnerabilidade e está recebendo auxílio emergencial do Governo Federal. Segundo a Prefeitura de Catanduva são 25 moradores de rua e automaticamente eles estão no Plano de Emergência do Governo Federal sendo assim que recebem o auxilio emergencial – R$ 600. Mas ainda existem pelas algumas dificuldades enfrentadas pelas equipes da Secretaria de Assistência Social nas recusas de moradores de rua para adesão ao isolamento e continuar na casa de passagem. A medida é preventiva à propagação do novo vírus, mas a maioria do público-alvo não aceitou cumprir as regras de confinamento.
Segundo as informações da Prefeitura, a adesão que era entre oito e 10 pessoas, no início da quarentena, hoje está praticamente zerada. Apenas duas pessoas permanecem em isolamento.
Mesmo assim, a casa continua preparada a receber os moradores de rua interessados. O ambiente, utensílios e roupas de cama e banho são rigorosamente higienizados. Dentre as atividades, os frequentadores participam de oficina de artesanato.
Para a explicação das recusas é que boa parte desses moradores é dependente químico e procura refúgio em becos para usar droga. Tem ainda os que sofrem de transtornos mentais e não aceitam o confinamento.
A Secretaria de Assistência Social tenta reverter essa situação por meio de conscientização. As equipes insistem e tentam convencer os moradores de rua a aceitar o isolamento. São feitas abordagens para alertar sobre a importância de ficar confinado, nesse momento, devido à pandemia.
Quem opta em ficar nas ruas, tem acolhimento garantido pelo Centro Pop. O fluxo neste serviço é contínuo, já que o acesso é livre. No espaço, os frequentadores têm café da manhã, tomam banho, recebem kits de higiene e participam de oficinas de artesanato, além de poder utilizar a lavanderia e guardar pertences.

Ariane Pio
Da Reportagem Local