Cidades

Mais de 2 Mil Citricultores Devem Declarar Inspeções e Eliminações de Cancro

PRAZO para entregar o relatório pelo Gedave termina na próxima segunda-feira (15) (Divulgação)
Assine O Regional Online

2,3 mil citricultores (proprietário, arrendatário ou ocupante a qualquer título) dos 18 municípios que pertencem ao Escritório de Defesa Agropecuária de Catanduva (EDA) devem declarar até o dia 15 de janeiro as inspeções e as eliminações de plantas com sintomas de cancro e greening realizadas no pomar durante o segundo semestre de 2017. A informação é da Coordenadora de Defesa Agropecuária da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.
A informação deve ser realizada por meio do sistema Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal).
O citricultor que deixar de informar no relatório as inspeções e as eliminações de plantas serão multados com autuações que variam de 100 a 500 unidades fiscais do estado de São Paulo (Ufesp), o equivalente de R$ 2.570 a R$ 12.850.
De acordo com Dácio Rocha, diretor substituto do EDA Catanduva, por dia, o escritório recebe várias ligações de citricultores ainda com dúvidas em como declarar.

“O Gedave é um sistema muito importante e fácil de fazer a declaração. Só que muitos citricultores as vezes não lembra a senha, mas a maioria é feita pelo contador responsável pela escrita do sítio. Então eu oriento que aquele que a declaração não é feita pelo contador que ele peça a ajuda a algum familiar que tem mais habilidade com a internet para ajudar. E não adianta entrar com o CPF do filho se a propriedade estiver em nome do pai. É o CPF do dono da propriedade que precisa ser colocado no sistema, senão ele não vai aceitar”, orienta Rocha.
Por ser um sistema novo, muitos citricultores ainda encontram dificuldades para o acesso.
“Faz cerca de dois anos que migrou do sistema antigo para o Gedave na área vegetal, mas é um sistema de grande importância para a Secretaria. Basta o fazendeiro, sitiante informar se arrancou 100 pés e plantou 120 ou que teve que eliminar tantos pés. É um relatório que precisa ser informado certinho para os dados baterem. Informar também quantas unidades de produção tem e etc.”, informa Rocha.
O acesso ao sistema é feito pelo endereço https://gedave.defesaagropecuaria.sp.gov.br/. O citricultor deve informar, no mínimo, uma inspeção obrigatória por trimestre, ou seja, ao menos duas inspeções devem ter sido realizadas durante o semestre.
“Mesmo não encontrando plantas cítricas com sintomas de greening e cancro cítrico, ou tendo sido eliminadas todas as plantas cítricas da propriedade é preciso preencher o relatório e enviá-lo, pois este procedimento é de comunicação obrigatória”, diz Rocha.
Para eventuais comprovações em auditorias realizadas pelo órgão oficial de defesa agropecuária a orientação é que o relatório enviado seja impresso e guardado.
Segundo o diretor substituto o município de Itajobi é um dos maiores produtores e exportadores de lima ácida taithi, popularmente chamado de limão taiti. Já Novo Horizonte é forte na produção da laranja.
A região não apresenta números expressivos das doenças.

Karla Sibro
Da Reportagem Local