Cidades

Mais da Metade dos Catanduvenses Se Diz Sedentária

61% apontam que não praticam nenhum tipo de atividade física (Divulgação)

Futebol, vôlei, bas­que­te, ginástica, corrida, caminhada, muscula­ção – as modalidades são di­ver­­sas, mas variam de acordo com o perfil de cada um. Ape­sar de tantas opções, en­quete realizada pela reporta­gem de O Regional mostra que mais da metade dos ca­tan­­­duvenses se diz sedentária.
Do número total de parti­cipantes que responderam ao questionamento, 61% apon­tam que não praticam nenhum tipo de atividade física. Ou­tros 39%, apontam que bus­cam nos exercícios e esportes, ma­nei­ras de com­­­­­­­bater o se­den­­­ta­rismo. O nú­­mero de pes­­­­­­soas que se di­­zem seden­­tárias em Catanduva se­­gue o ritmo do Brasil.
A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que foi divulgada no ano passado pelo Instituto Bra­­sileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que 62,1% dos brasileiros que tem 15 anos ou mais não praticam atividades físicas, o que cor­­responde a 100 mi­lhões de pessoas em um universo de 161 milhões que fazem parte da faixa etária dos que não fazem nenhum tipo de exer­cício físico.
Entre as mulheres, a falta de atividades é mais fre­­quente. Duas em cada três se exercitam (66,6%), enquanto que entre os homens esse percentual chega a 57,3%, de acordo com o IBGE. O prin­­cipal motivo apontado pelas pessoas que fizeram parte do levantamento é o de não se dedicarem a esse tipo de ati­­vidade devido à falta de tempo livre (38%).
Dados da Organização Mun­dial de Saúde (OMS) apontam que o sedentarismo é o quarto maior fator de risco de mor­ta­lidade em todo o mundo. Para ficar longe das estatísticas, é importante afastar de vez a preguiça. Não são apenas as atividades esportivas que caracterizam o sedentarismo, mas também a ausência de atos simples na rotina, como o uso de escadas e até mesmo as caminhadas. Um exemplo é percurso de casa para o trabalho ou para lugares pró­ximos. Em alguns casos é possível re­­­cor­rer a bi­­ci­­cleta, sem­­pre que pos­­­sí­­vel.
Outra dica é a de estabelecer me­­tas para ca­­­mi­­­nhada. Ir até a padaria andando ou ao mercado, descer do ponto de ônibus antes do local de cos­­tu­­me e terminar o percurso an­­dando são algumas das op­­ções para driblar o seden­ta­­ris­mo e ter mais saúde.
Neste sábado (1º) é come­morado o Dia do Educador Fí­­­­­­­­­sico e a data serve para mos­­­­­­­­trar a importância de se praticar exercícios com fre­­quência. “A prática de exer­­cícios é reco­men­­dada para todas as idades e traz inú­­me­­ros benefícios, como o au­­men­­to da produção de endor­­fina, redução da ten­são mus­­cular e do hormônio do es­tresse, além da manu­ten­ção da saúde do coração”, ex­plica a professora universitária Fabiana Kadota Pereira.
A especialista aponta que nos próximos anos haverá au­mento na demanda pelos pro­fissionais da área.
“O aumen­­to de crianças sedentárias e a­­ci­­ma do peso, além de pessoas com uma es­ti­­ma­­tiva de vida acima dos 70 anos, aliado ao uso com­pul­­sivo de celulares, com­­pu­ta­­dores, bem como doenças por repe­tição de movimento, se­­rão respon­­sáveis pelo au­­men­­­to da busca pelo profis­sional de Educação Física”, destaca.

Cíntia souza
Da Reportagem Local

CAMPANHA ICESP

/* ]]> */