Cidades

Ipês Floridos Já Enfeitam As Ruas e Avenidas De Catanduva

O ipê é tão importante que o ipê-amarelo foi declarado como a flor símbolo nacional em 1961

Árvore ipê amarelo, rosa, roxo, branco… você certamente já deve ter avistado e se encantado por alguma delas, quando passa pela Avenida José Nelson Machado ou algo outro ponto de Catanduva. Vemos pela cidade nesta época do ano as mais variadas cores, mas o que predomina é a cor rosa.
Ele embeleza tanto a cidade que fizeram um evento de 100 mosaicos de ipês que foram escolhidos para compor o ‘Marco Cultural’, espaço histórico criado em áreas de movimentação de Catanduva em comemoração ao Centenário da cidade. Os mosaicos expostos contemplam o projeto ‘100 Anos de Ipês’, cujo objetivo é reforçar a importância histórica da espécie para o município. As peças artísticas estão fixadas em totens na área de lazer da Avenida José Nelson Machado, ao lado do viaduto do São Francisco. O ipê é tão importante que o ipê-amarelo foi declarado como a flor símbolo nacional em 1961, pelo então presidente Jânio Quadros. Os ipês dão em todos os cantos do nosso país.
A árvore ipê é tão nacional que o seu próprio nome já denúncia as origens: no tupi, significa árvore cascuda. Mas seu nome não se mantém o mesmo em todas as regiões do Brasil: no norte, leste e nordeste, ela é conhecida como pau d’arco, termo que ficou de herança da cultura indígena, na qual a árvore era utilizada para fazer arco e flecha. No Pantanal, a chamam de peúva (do tupi, árvore de casca) e em algumas regiões de Minas Gerais e Goiás de ipeúna.
Durante os séculos XVII e XVIII, árvore ipê foi muito utilizada na construção de telhados de igreja devido à resistência e durabilidade de sua madeira, o que contribuiu para a conservação dessas construções. Até hoje, é muito utilizada como matéria-prima de construções civis e navais.
Em geral, o ipê desabrocha no inverno ou no começo da primavera. Quanto mais frio e seco estiver o clima, maior será a intensidade da sua floração. Assim que isso acontece, as sua folhas caem dos galhos. É que a árvore é da espécie caducifólia, tipos de plantas que se valem do processo de evaporação pelas folhas para não perder água.

Ariane Pio
Da Reportagem Local