Início - Gás de Catanduva é Mais Caro Que em 48 Cidades do Estado
Cidades

Gás de Catanduva é Mais Caro Que em 48 Cidades do Estado

Produto sofreu dois reajustes nos últimos meses (Divulgação)

Com valor médio de R$ 62,75, o gás de cozinha vendido em Catanduva é mais caro que em 48 cidades que pertencem ao território paulista. É o que mostram dados do Levantamento de Preços da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). No mês passado o produto sofreu novo reajuste a nível nacional.
O preço do GLP vendido na Cidade Feitiço varia entre os R$ 60 e R$ 67, ainda de acordo com o levantamento de novembro. Porto Ferreira é a cidade paulista com menor valor médio do gás de cozinha (R$ 51). Lá o produto varia de R$ 50 a R$ 52. Mogi Mirim é a segunda com menor preço com valor médio de R$ 52,63. O gás de cozinha tem uma variação de R$ 46 e R$ 65. Olímpia tem o terceiro menor preço R$ 53. O produto custa R$ 53 em todos os estabelecimentos da cidade.
Outros 57 municípios paulistas vendem o produto por um preço maior que o visto em Catanduva. Em Ribeirão Preto, por exemplo, o valor médio do botijão é de R$ 74,57. Com variação de R$ 68 a R$ 80. Na sequência está Marília. Lá o produto é comercializado a R$ 72,50, variando de R$ 70 a R$ 73. Em Botucatu o botijão custa R$ 72,38 e em Diadema R$ 71,10.

Reajuste no mês passado
Foi no mês passado que o gás de cozinha teve reajuste anunciado. Se fosse levado em consideração o aumento de 12,6% anunciado pela Petrobras, o produto deveria custar entre R$ 70 e R$ 72, o que não foi visto na cidade.
O aumento no valor do produto teria sido informado pela Petrobras por meio de nota. Esse aumento seria calculado de acordo com a chamada política de preços que foi divulgada em junho deste ano, um reflexo da variação das cotações do produto no mercado exterior. O impacto no consumo, ainda de acordo com a petroleira, vai depender dos repasses por distribuidoras e revendedores. O último reajuste ocorreu em setembro deste ano.
Os comerciantes já estavam preocupados com o aumento do produto. Outra preocupação apontada por eles estaria com relação a quantidade de revendedores irregulares atuando na cidade. No site da ANP constam todos os pré-requisitos que as empresas legalizadas devem seguir.

Cíntia Souza
Da reportagem local