Cidades

Exportações Chegam a US$ 24 Milhões e Aumentam 33% em Catanduva

Balança comercial brasileira teve em setembro um superávit de US$ 5,2 bilhões (Divulgação)
Assine O Regional Online

As exportações em Catanduva chegaram a US$ 24,9 milhões e aumentaram 33%. Em contrapartida, as importações tiveram queda de 14,4%. O levantamento da Balança Comercial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior leva em consideração o mês passado, os dados mais recentes.
O volume de produtos direcionados ao exterior em setembro foi o maior de 2017. O segundo maior número foi visto em agosto (US$ 18,3 milhões) e o terceiro em junho (US$ 17,5 milhões). Os meses com menor valor de exportação foram fevereiro (US$ 5,4 milhões), janeiro (US$ 10,4 milhões) e abril (US$ 15,4 milhões).
Entre os itens que mais foram exportados estão os extratos e as essências de café (38%), seguido de açúcares de cana (32%) e óleo de amendoim (16%). Já os destinos foram Itália (14%), Japão (14%) e Holanda (8%).
Já as importações chegaram a US$ 810 mil em setembro. O maior valor foi visto em março (US$ 1,8 milhão), seguido de agosto (US$ 947 mil) e fevereiro (US$ 928 mil). Enquanto isso, os menores volumes de importações foram vistos em julho (US$ 294 mil), seguido de maio (US$ 344 mil) e junho (US$ 584 mil).
Entre os produtos que mais foram importados na cidade estão: leite e nata (42%), aparelhos de iluminação (8%) e máquinas e aparelhos de encadernação (6%). Os destinos que os catanduvenses buscaram eram China (23%), Argentina (20%) e Alemanha (9%).

Superávit de US$ 5,2
bilhões no país
A balança comercial brasileira teve em setembro um superávit (resultado positivo) de US$ 5,2 bilhões. O saldo comercial seria recorde pelo oitavo mês seguido. Os resultados das exportações e importações, no período, que tiveram crescimento de 24% e 18%, respectivamente, são os maiores para meses de setembro dos últimos três anos.
No acumulado do ano esse é o maior superávit da série histórica, que começou em 1989, chegando a US$ 53,3 bilhões. O saldo é recorde tanto para os primeiros noves meses do ano quanto para os anos fechados. O maior superávit anterior para o período havia sido registrado em 2016.
O secretário de Comércio Exterior do MDIC, Abrão Neto, aponta que com o resultado, haverá revisão nas projeções para o ano. A estimativa de encerrar o ano com superávit de US$ 60 bilhões, segundo ele, deve ser elevada.
“Temos um superávit com crescimento tanto das exportações quanto das importações. Pelas exportações, verificamos crescimento não só do valor, mas também das quantidades exportadas, em todas as categorias de produtos, além de aumento no número de empresas exportadoras”, destacou.

Cíntia Souza
Da reportagem local