Cidades

Especial Centenário: Quarta Década

Santuário
Assine

Educação: Sesc e Senac Chegaram em Catanduva em 1951

 Com o progresso na cidade e o aumento populacional começaram a surgir os cursos profissionalizantes. O Serviço Social do Comércio “João Di Pietro” (SESC) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) foram instalados na cidade em 1951 para atender a demanda. Ambos ofereciam cursos em vários segmentos para formação jovens e adultos para o enriquecimento do mercado de trabalho.

O Senac tinha como núcleo “Universidade do Ar” e desativou suas atividade na cidade em 1954 e retomou em 1980. Ambas as unidades já ofereciam cursos antes da data de implantação.

Ponte do Córrego Fundo une os bairros Higienópolis e São Francisco

 Outro marco na história de Catanduva foi quando os bairros começaram a se unir. Em 1951 foi construída uma ponte no Córrego Fundo que liga a Rua Goiás com os bairros Higienópolis ao bairro São Francisco. O prefeito da época era Antônio Stocco e o mestre da obra era o doutor Antônio Záccaro.

Primeiras Usinas de Açúcar e Álcool são inauguradas na Região

As primeiras usinas de açúcar e álcool são inauguradas no ano de 1952 na região. Embora não tenham sido fundadas em Catanduva colaboraram para o desenvolvimento da cidade. A primeira recebia como denominação o nome que fazia referência à cidade (Usina Catanduva). Fundada no dia 26 de abril de 1952 está localizada entre os municípios de Palmares Paulista e Ariranha. A Usina Catanduva teve como administrador o industrial Mario Dedini e seus fundadores Aurélio Nardini e Sebastião Pinto Fernandes, substituídos em 1965por Marcos Dedini Ricciardi. Em 1977, o controle acionário fica a cargo da professora Carmem Ruette de Oliveira sendo o atual gerente, seu filho, Hermelindo Ruette de Oliveira.

Já a Usina São Domingos foi à segunda inaugurada no mesmo ano, no dia 6 de agosto de 1952 sob a denominação de Sanchez, Motta Ltda. Já no dia 3 de maio de 1955 passou-se a se chamar Sanchez e Cia Ltda. Após seis anos, no dia 30 de abril de 1961 foi batizada com o nome de Usina São Domingos – Açúcar e Álcool S/A. A unidade estava registrada nos arquivados da Junta Comercial de São Paulo (JUCESP) sob a numeração 177.257 em sessão de 29 de março de 1961 e publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo em 30 de abril do mesmo ano.

Os fundadores da usina são José Pedro da Motta Filho, Seraphim Sanchez, Vicente Sanchez, Gabriel Sanchez e Faustino Sanchez.

 Primeiro Brasão de Catanduva e Catanduva Esporte Clube são os Destaques de 53

 Foi instituído pela Lei nº 238 de 16 de outubro de 1953, o primeiro brasão do município de Catanduva que recebeu o nome de “Brasão das Armas”. Os significados das cores representam a força, o amor, a coragem e a prosperidade. A cor, vermelha, por exemplo, representa o amor à pátria. A roda dentada representa o desenvolvimento da indústria local. Já a parte azul ressalta as condições climáticas da terra que eram agradáveis. A faixa azul ondulada significa o Rio São Domingos e fica situada na parte verde do brasão, o que representa o rio correndo sobre o verde do município.

Na lateral do escudo, são acrescidos os ramos de café, os ramos de laranja e a cana que contribuíram para as riquezas agrícolas de Catanduva.

 Fundação do Catanduva Futebol Clube

 Também em 1953, Catanduva Futebol Clube foi fundado por idealizados apaixonados pelo esporte. Na época o time catanduvense recebeu o apelido de “Expressinho” e teve confrontos com vários times grandes do estado, tais como, Santos, São Paulo, Portuguesa, Corinthians.

O Catanduva foi o percussor do Grêmio Esportivo Catanduvense.

Católicos recebem Igreja-Mãe com a instalação do Santuário Nossa Senhora Aparecida

O Santuário Nossa Senhora Aparecida, atual Catedral, considera Igreja-Mãe da Diocese, foi fundada em maio de 1954. Localizada na Praça da Independência a fundação se deu com o decreto de ereção no dia 25 de maio. O propósito era evangelizar os católicos com a missão de catequizar “anunciar a palavra de Deus e ensinar os dogmas da doutrina católica”. Para atender os fiéis vieram padres doutrinários, recém-chegados da Itália. Eles trouxeram na bagagem as santas palavras do Bem-Aventurado César de Bus, fundador da Congregação. Em setembro de 1955 é levantado o Cruzeiro.

Já em 1956, em setembro, outro marco é realizado na Catedral, é realizada a primeira missa no Santuário Nossa Senhora Aparecida, presidida por Dom Laffayette que abençoou a Pedra Fundamental pelo Padre Carlos Rista. A pedra encontra-se localizada na parte interna da Igreja.

Em 1957 as Paróquias foram crescendo e surgiram: a Capela São Bento, na sequência: as comunidades de São Judas, Nossa Senhora das Graças, Santa Helena e a capela de São Benedito.

Liga Catanduvense de Futebol Amador

A Liga Catanduvense de Futebol Amador foi fundada em Catanduva em 28 de março de 1954. Vários esportistas se uniram para a implantação que se destacou no futebol amador do município.

Mercado Municipal, Campanhas “Café Finos” e de “Horticultura” Marcam o Ano de 56

Foi no dia 8 de setembro de 1956 que o tradicional Mercado Municipal foi implantado em Catanduva. No mesmo ano, campanhas “Café Finos” e de “Horticultura” foram implantadas na cidade.

O Mercadão, como popularmente é conhecido, foi implantado pelo prefeito José Antonio Borelli e recebeu as bênçãos do Monsenhor Albino. O mercado era modelo e considerado um dos mais modernos do país. O local tornou-se um dos mais importantes centro de comércio da cidade com bancas de vários segmentos.

Nessa década também, o comércio catanduvense era o 15º do estado com maior relevância.

A campanha “Café Finos” também conhecida como “Movimento de Catanduva” levou o nome da cidade para patamar internacional em 1956. Neste ano foi formada uma comissão com várias entidades. O objetivo era lutar pela produção de cafés de uma melhor qualidade para fortalecer e recuperar o prestígio e a participação nos mercados fora do país. A iniciativa foi pleiteada pelo Rotary Club de Catanduva. Foram confeccionados 200 mil selos para divulgação da campanha.

O jornalista Assis Chateaubriand foi o padrinho da ação que foi considerada sucesso. No primeiro ano apresentou um resultado de 20% de aumento de cafés preferenciais.

No mesmo ano a campanha de horticultura também teve forte representação e visava trazer para a cidade grande variedade de sementes. Na época, o município representava fraca produção de hortaliças.

 Empório Tradicional de Catanduva Também Marca o Ano de 1956

O Empório São Pedro também marcou o ano de 1956 com sua implantação no comércio catanduvense. Localizado em ponto estratégico, o Empório ficava próximo aos terminais rodoviário e ferroviário onde circulava grande número de pessoas na época. Atuante na cidade, o empório continua com os mesmos ares do passado, o que o mantem como um diferencial.

O empório São Pedro foi fundado pela família Santo Alfredo e atualmente é mantido em família.

Praça da República e Clube dos 300 são fundados em 1957

A Praça da República foi fundada em 1957 e dois anos depois foi inaugurada a ‘Fonte Luminosa’, e revitalizada em 2015. Quem não se lembra de algum momento, espetáculo, apresentação que assistiu, viu ou participou na tão tradicional Pérgula, denominada de Espaço Cultural Luiz Carlos Rocha?

Atualmente o espaço é responsável em promover exposição de artes, flores, projetos, bazar, dentre tantos outros eventos.

A pérgula já foi palco do tradicional presépio vivo de Catanduva e já teve importante representação na cultura da cidade.

O Clube dos 300, localizado na Praça da República, nº 55, foi fundado no dia 15 de dezembro por um grupo de cidadãos. Teve como principal incentivador e coordenador Elias Nechar.

Enchente em Catanduva também é registrada no Final da década de 1950

 As enchentes na cidade vem acompanhando a história de Catanduva praticamente desde o seu início. No final da década de 1950 a cidade enfrentou mais uma enchente.  A população da região ribeirinha foi a mais afetada. Mas foi em 1983 a catástrofe que atingiu os comércios e famílias que ficaram desabrigadas.

Fontes de pesquisas: livros: “80 Anos – Ace Catanduva”, “Catanduva de A a Z”.



Assine O Regional

Digital Mensal
R$19,90 / mês
  • Acesso total
  • Computador, Celular ou Tablet
Digital + Impresso (Sáb e Dom)
R$41,70 / mês
  • Acesso total
  • Computador, Celular ou Tablet
  • Jornal impresso aos sábados e domingos
Digital + Impresso (Ter a Dom)
R$65,90 / mês
  • Acesso Total
  • Computador, Celular ou Tablet
  • Jornal Impresso de terça a domingo