Cidades

Curso De Medicina De Catanduva Completa 50 Anos Neste Sábado

O Centro Universitário Padre Albino/UNIFIPA realizará eventos comemorativos pelos 50 anos do curso de Medicina neste sábado (12) e no mesmo dia acontecerão as provas do vestibular 2020, a FAMECA – Faculdade de Medicina de Catanduva – ficará aberta para visitação de ex-alunos a partir das 8h, atividade chamada “Revivendo momentos”.
Às 9h será preparada uma “cápsula do tempo” com o histórico da Fundação Padre Albino, do curso de Medicina da Fameca, do centenário do Padre Albino, jornais do dia, selo da festa de 50 anos, entre outras coisas. O coordenador do curso, Prof. Dr. Jorge Luis dos Santos Valiatii, será contou que será colocada em um pen drive nessa cápsula do tempo, prevista para ser aberta daqui a 50 anos, ou seja, nas comemorações do centenário da faculdade. Seguindo com as atividades comemorativas, às 10h, haverá plantio de 50 mudas de orquídeas em parceria com a Associação Orquidófila Catanduvense. E por fim, as comemorações serão encerradas com jantar comemorativo à noite, no Clube de Tênis de Catanduva. HISTÓRIA – O curso de Medicina/FAMECA da UNIFIPA nasceu dos ideais de Padre Albino. Preocupado com a promoção social, com a melhoria da condição de vida dos necessitados, especialmente dos doentes, conquistou o apoio da comunidade para a construção da Santa Casa de Misericórdia de Catanduva, em 1920, hoje denominada Hospital Padre Albino.
Mais tarde, direcionando atenção à formação escolar do jovem da cidade e região, empenhou-se no processo de instalação de escolas, surgindo, aí, a Fundação Padre Albino, em 1968, a partir da transformação da Associação Beneficente de Catanduva, para ser a mantenedora das faculdades.
Neste mesmo ano, um grupo de pró-homens da comunidade, liderados pelo Padre Albino, iniciou os procedimentos para a criação da Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA), autorizada a funcionar em 06 de junho de 1.969 pelo Conselho Federal de Educação. A faculdade foi instalada em prédio construído para ser hospital, na Rua Monte Aprazível, Vila Guzzo, onde hoje funciona o Colégio Catanduva. A primeira turma foi iniciada em 1970, formada em 1976.
No final da década de 1970, o Hospital Emílio Carlos, destinado ao tratamento da tuberculose, foi desativado em função de mudanças ocorridas nas políticas de saúde pública do Brasil. A Fundação Padre Albino, em 1982, conseguiu do Governo Estadual a cessão do antigo prédio, e, em 1983, a FAMECA transferiu-se para lá, onde continua até os dias atuais. Dois anos mais tarde, em 1985, portanto, iniciou-se a reativação do Hospital Emílio Carlos com a abertura dos ambulatórios de ensino e das enfermarias de clínicas.
Nesses 50 anos de história, a FAMECA já graduou cerca de 2.766 médicos.

Ariane Pio
Da Reportagem Local